05:15 31 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    5241
    Nos siga no

    A polícia de Minsk, capital bielorrussa, prendeu um homem de 34 anos que coordenava protestos e pagava pessoas para participarem de manifestações contra o governo do país.

    A informação foi revelada pelo Ministério do Interior da Bielorrússia neste sábado (22) por meio de redes sociais.

    De acordo com o Ministério, a polícia local conseguiu localizar o coordenador depois de prender um homem de 37 anos de Minsk, que informou os policiais sobre uma reunião com os organizadores dos protestos.

    "O coordenador o abordou em uma das lojas de alimentos centrais da cidade e se ofereceu para reunir cerca de 10-12 pessoas para participarem de uma manifestação política de massa não autorizada. Depois que o homem concordou, o coordenador deu a ele 60 rublos bielorrussos [cerca de R$ 132] e comprou comida e álcool para ele. A polícia interrompeu uma reunião de conspiradores marcada para 19 de agosto. No momento, está em andamento uma investigação sobre as ações dos dois homens", disse o Ministério por meio de seu canal oficial no Telegram.

    Os protestos de massa da oposição eclodiram em toda a Bielorrússia após a divulgação dos resultados da eleição presidencial no país, em 9 de agosto. Oficialmente, o presidente bielorrusso Alexandr Lukashenko foi reeleito para o sexto mandato consecutivo. De acordo com as autoridades eleitorais, Lukashenko venceu as eleições com mais de 80% dos votos. A oposição acusa o presidente de ter fraudado as eleições e aponta que sua principal candidata, Svetlana Tikhanovskaya, foi a verdadeira vencedora. 

    Svetlana Tikhanovskaya, candidata à presidência da Bielorrússia
    © AP Photo / Sergei Grits
    Svetlana Tikhanovskaya, candidata à presidência da Bielorrússia

    Desde o início dos protestos, quase sete mil pessoas foram presas no país e pelo menos dois manifestantes morreram.

    As cenas de confronto com a polícia rodaram o mundo e autoridades europeias reagiram com ameaças de sanções contra o país. Na quinta-feira (19), o presidente do Conselho Europeu, órgão da União Europeia, Charles Michel, anunciou que a organização decidiu não reconhecer os resultados das eleições bielorrussas e afirmou que sanções serão impostas contra os responsáveis por "violência, repressão e fraude eleitoral".

    Mais:

    União Europeia não reconhece resultados das eleições presidenciais na Bielorrússia
    Outono do patriarca: por que a sociedade bielorrussa se insurgiu contra Lukashenko agora?
    Presidente bielorrusso ordena acionar 'as medidas mais duras' para proteger integridade do país
    Tags:
    Minsk, Aleksandr Lukashenko, Bielorrússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar