06:06 28 Setembro 2020
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    142
    Nos siga no

    A chanceler federal alemã Angela Merkel expressou nesta sexta-feira (21) "sérias dúvidas" sobre o futuro do acordo comercial entre a União Europeia (UE) e os países do Mercado Comum do Sul (Mercosul), por conta do aumento do desmatamento na Amazônia.

    "A posição da chanceler é que [...] há sérias dúvidas de que o acordo possa ser aplicado no espírito que se pretende, tendo em conta o desenvolvimento atual e as terríveis perdas de floresta que se observam", disse à imprensa o porta-voz do governo alemão, Steffen Seibert.

    A UE e o Mercosul (Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai) assinaram um acordo de livre comércio em 28 de junho de 2019, que vinham negociando há duas décadas. Merkel foi uma das líderes favoráveis ao desfecho na Europa.

    A entrada em vigor do documento requer ajustes jurídicos e técnicos dos textos e ratificação nos Parlamentos dos países membros do bloco sul-americano, no Parlamento Europeu e nos membros da UE.

    Amazônia: fumaça de incêndio em área desmatada em Porto Velho, Rondônia
    © REUTERS / Ueslei Marcelino
    Amazônia: fumaça de incêndio em área desmatada em Porto Velho, Rondônia

    O acordo abriria um mercado de 500 milhões de habitantes aos países do Mercosul, enquanto os europeus poderiam colocar seus produtos sem restrições em uma região onde vivem outros 300 milhões de pessoas.

    Em outubro de 2019, a França anunciou que não assinará o acordo de livre comércio entre a UE e o Mercosul, argumentando que o Brasil "não respeita a Floresta Amazônica" e "não respeita o Acordo de Paris", que trata das mudanças climáticas.

    Parlamentos de Áustria, Holanda e Bélgica já indicaram que não devem aprovar o acordo, também apontando, entre várias razões, a destruição da Amazônia sob o governo Bolsonaro. O governo brasileiro já se defendeu, dizendo que se trata do lobby agrícola europeu.

    Mais:

    Embaixador alemão alerta que, sem queda na destruição da Amazônia, acordo UE-Mercosul não deve sair
    Com queimadas em alta, Bolsonaro se diz defensor da Amazônia e dos índios em cúpula do Mercosul
    Fracasso brasileiro contra COVID-19 deve 'aumentar resistência' a acordo entre Mercosul e UE
    Tags:
    meio ambiente, destruição, desmatamento, diplomacia, acordo comercial, Mercosul, União Europeia, Floresta Amazônica, Amazônia, Angela Merkel, Alemanha, Jair Bolsonaro, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar