00:50 19 Setembro 2020
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    11312
    Nos siga no

    A empresa russa Yandex confirmou à Sputnik os relatos de que desconhecidos armados invadiram seu escritório na capital bielorrussa.

    Além de confirmar invasão de desconhecidos armados em seus escritórios na capital bielorrussa, Yandex acrescentou que buscas estão sendo realizadas nos escritórios da Uber em Minsk.

    Fonte da Yandex afirma que desconhecidos armados vestindo roupas pretas invadiram dois escritórios da empresa em Minsk, sendo os escritórios do Yandex Táxi e do Departamento de Serviços.

    Yandex está funcionando em Minsk com funcionários exercendo suas funções por teletrabalho, estando em seus escritórios, que foram invadidos por desconhecidos armados, apenas algumas pessoas, que estão sem comunicação, segundo fonte.

    Anteriormente, foi informado que desconhecidos armados, vestindo roupas pretas, invadiram os escritórios da Yandex em Minsk.

    Os escritórios foram interditados, e funcionários foram impedidos de deixar o local, segundo o jornal The Bell.

    Em fevereiro de 2018, Yandex e Uber formaram parceria de pedido de viagens on-line na Rússia e países vizinhos, incluindo a Bielorrússia.

    Por sua vez, parceiro da Uber não confirmou nem negou as informações sobre realização de buscas nos escritórios da empresa.

    Protestos massivos estão tomando conta das ruas da Bielorrússia desde a noite do dia 9 de agosto, quando os resultados das eleições presidenciais indicaram a vitória do atual presidente Aleksandr Lukashenko com mais de 80% dos votos.

    No dia 12 de agosto, aproximadamente 700 pessoas foram detidas na Bielorrússia por estarem envolvidas nos protestos não autorizados, segundo o Ministério do Interior do país.

    Mais:

    Moscou pede informação sobre suposta detenção de cidadãos russos na Bielorrússia
    Fortes explosões são ouvidas na capital da Bielorrússia, relata corresponde da Sputnik
    Lukashenko lidera eleições na Bielorrússia com 81,35% dos votos
    Tags:
    protestos, eleições, Minsk, Bielorrússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar