04:49 27 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    0 94
    Nos siga no

    O Ministério do Interior da Bielorrússia confirmou a morte de um manifestante em meio aos protestos de oposição contra os resultados das eleições presidenciais. Explosões também foram ouvidas em Minsk perto da área onde ocorrem os protestos.

    Em meio aos protestos de massa na Bielorrússia, o Ministério do Interior do país confirmou nesta segunda-feira (10) a primeira morte de um manifestante. Segundo o Ministério, o manifestante tentou jogar um explosivo contra forças de segurança, que acabou detonando em suas mãos, resultando na morte.

    Este é o segundo dia de protestos no país contra a reeleição do presidente Aleksandr Lukashenko. Os resultados foram divulgados ainda no domingo (9) pelo comitê eleitoral do país, apontando que Lukashenko teve 80,23% dos votos. A principal opositora do atual presidente, Svetlana Tikhanovskaya, teve 9,9%.

    Em Minsk, manifestantes se reúnem após o fechamento das urnas depois das eleições presidenciais na Bielorrússia, em 9 de agosto de 2020.
    © Sputnik / Ilia Pitalev
    Em Minsk, manifestantes se reúnem após o fechamento das urnas depois das eleições presidenciais na Bielorrússia, em 9 de agosto de 2020.

    Os protestos se transformaram em confrontos com as forças de segurança no país e, de acordo com o Ministério do Interior do país, pelo menos 3 mil pessoas já foram detidas, sendo que 50 manifestantes e 39 policiais ficaram feridos. Houve também relatos de agressões contra jornalistas.

    Mais cedo nesta segunda-feira (10), a oposição liderada por Tikhanovskaya demandou uma transição pacífica de poder do atual presidente Aleksandr Lukashenko.

    Mais:

    Opositora Tikhanovskaya demanda transferência de poder pacífica na Bielorrússia após eleição
    Minsk: polícia usa gás lacrimogênio e prende manifestantes a favor da oposição
    Minsk: fotojornalista da Sputnik está sem contato há mais de 5 horas
    Tags:
    Minsk, Bielorrússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar