05:35 29 Setembro 2020
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    1235
    Nos siga no

    O correspondente fotojornalista da Sputnik, Ilia Pitalev, que está cobrindo os protestos em Minsk, na Bielorrússia, está sem contato há mais de cinco horas.

    Pitalev tem trabalhado como correspondente em meio aos protestos da oposição que foram deflagrados na Bielorrússia após o anúncio dos resultados da eleição presidencial no país.

    "O último contato com ele aconteceu por volta de 17h40 [11h40 no horário de Brasília], ele estava indo para o Obelisco na Avenida Pobediteley, desde então ele não entrou em contato", disse o departamento de fotografia da agência.

    Mais cedo, correspondentes da Sputnik apontaram que a polícia estava realizando detenções e usando gás lacrimogênio contra manifestantes na região, em Minsk.

    Em Minsk, na Bielorrússia, manifestantes caminham em uma rua em meio a um protesto da oposição contra a reeleição do presidente Aleksandr Lukashenko, em 9 de agosto de 2020.
    © AP Photo / Sergei Grits
    Em Minsk, na Bielorrússia, manifestantes caminham em uma rua em meio a um protesto da oposição contra a reeleição do presidente Aleksandr Lukashenko, em 9 de agosto de 2020.

    Os protestos seguem em andamento na capital bielorrussa, com cenas de confronto, detenções pela polícia e a confirmação de pelo menos um manifestante morto

    Anteriormente nesta segunda-feira (10), o gabinete da candidata da oposição, Svetlana Tikhanovskaya, exigiu que haja uma transição "pacífica" de poder do presidente reeleito Alexandr Lukashenko.

    Mais:

    Bielorrússia: governo confirma 1º manifestante morto e explosões são ouvidas na região dos protestos
    Opositora Tikhanovskaya demanda transferência de poder pacífica na Bielorrússia após eleição
    Correspondente da Sputnik Bielorrússia é agredido e detido durante confrontos em Minsk
    Minsk: polícia usa gás lacrimogênio e prende manifestantes a favor da oposição
    Tags:
    Aleksandr Lukashenko, Bielorrússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar