07:19 28 Setembro 2020
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    Coronavírus no mundo no início de agosto (51)
    141
    Nos siga no

    A recuperação econômica em todo o mundo pode vir mais rápido se qualquer vacina contra COVID-19 for disponibilizada a todos como um bem público, disse o diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, nesta quinta-feira (6).

    Ele falava sobre o assunto em um painel de discussão on-line com membros do Fórum de Segurança Aspen nos Estados Unidos, moderado pela rede de televisão NBC.

    "Compartilhar vacinas ou outras ferramentas realmente ajuda o mundo a se recuperar em conjunto. A recuperação econômica pode ser mais rápida e os danos da COVID-19 podem ser menores", declarou Tedros.

    "O nacionalismo das vacinas não é bom, não vai nos ajudar", acrescentou ele em uma alusão à disputa competitiva entre nações e pesquisadores farmacêuticos para criar uma vacina eficaz e pedir o máximo de doses possível com antecedência.

    Tedros afirmou na segunda-feira (3) que, embora o novo coronavírus tenha sido a maior emergência de saúde desde o início do século XX, a corrida internacional por uma vacina também foi "sem precedentes".

    "Precisamos aproveitar esse momento para nos unirmos em unidade nacional e solidariedade global para controlar a COVID-19", comentou ele no fórum de quinta-feira (6). "Nenhum país estará seguro até estarmos todos seguros".

    Ryan fala da vacina russa

    O diretor de emergências da OMS, Michael Ryan, foi questionado sobre uma proposta de vacina russa. Segundo ele, os dados do ensaio eram necessários para garantir que as vacinas fossem seguras e eficazes.

    Ryan também pontuou que as autoridades devem ser capazes de demonstrar a eficácia de uma vacina contra o novo coronavírus por meio de ensaios clínicos tradicionais, em vez de estudos de "desafio humano".

    Cientista prepara amostras durante a pesquisa e o desenvolvimento de uma vacina contra o novo coronavírus em um laboratório da empresa de biotecnologia BIOCAD em São Petersburgo, Rússia, 11 de junho de 2020
    © REUTERS / Anton Vaganov
    Cientista prepara amostras durante a pesquisa e o desenvolvimento de uma vacina contra o novo coronavírus em um laboratório da empresa de biotecnologia BIOCAD em São Petersburgo, Rússia, 11 de junho de 2020

    Ele estava se referindo à exposição intencional de voluntários vacinados a um vírus para verificar se a vacina funciona.

    O presidente dos EUA, Donald Trump, disse na quinta-feira (6) que é possível que os Estados Unidos tenham uma vacina contra o coronavírus antes da eleição de 3 de novembro - uma previsão mais otimista do que o tempo apresentado por seus próprios especialistas em saúde da Casa Branca.

    Trump acusou a OMS de se tornar um fantoche para a China - onde o surto de coronavírus apareceu pela primeira vez no ano passado - durante a pandemia da COVID-19 e avisou que os Estados Unidos deixarão a agência dentro de um ano.

    Os EUA são o maior doador geral da OMS e contribuíram com mais de US$ 800 milhões até o final de 2019 para o período de financiamento bienal de 2018-19.

    Mas Tedros, que negou que a OMS responda à China ou a qualquer outro país, afirmou ao painel que o principal dano da iniciativa do governo Trump de sair da agência com sede em Genebra não seria a perda de financiamento.

    "O problema não é o dinheiro, não é o financiamento [...] é realmente o relacionamento com os EUA. Isso é mais importante para a OMS - o vazio, não o financeiro. E esperamos que os EUA reconsiderem sua posição", disse.
    Tema:
    Coronavírus no mundo no início de agosto (51)

    Mais:

    Chefe da OMS cobra jovens em meio ao surto da COVID-19: 'Você realmente precisa festejar?'
    EUA encomendam US$ 104 milhões em seringas para vacinas contra a COVID-19
    Twitter bloqueia conta da campanha de Trump por desinformação sobre a COVID-19
    Tags:
    Rússia, Donald Trump, vacina, saúde, novo coronavírus, COVID-19, OMS, Europa, China, Estados Unidos
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar