09:50 10 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    162
    Nos siga no

    A Alemanha pretende manter cooperação militar estreita com o Reino Unido em iniciativas de defesa, mesmo após a saída dos britânicos da União Europeia.

    A afirmação partiu nesta segunda-feira (27) do secretário de Estado do Parlamento Alemão, Thomas Silberhorn, durante uma reunião no Conselho Atlântico.

    "Precisamos manter os britânicos a bordo", disse Silberhorn durante a reunião.
    Chanceler alemã Angela Merkel usando uma máscara protetora chega à primeira cúpula presencial da UE desde o início da pandemia da COVID-19, em Bruxelas, Bélgica, 17 de julho de 2020
    © REUTERS / John Thys / Pool
    Chanceler alemã Angela Merkel usando uma máscara protetora chega à primeira cúpula presencial da UE desde o início da pandemia da COVID-19, em Bruxelas, Bélgica, 17 de julho de 2020

    O secretário alemão disse que também é a favor da manutenção do apoio financeiro do Reino Unido ao Fundo Europeu Comum de Defesa e ressaltou que o Reino Unido continua sendo uma potência armada com alcance e presença globais.

    "Eu também estaria aberto a contribuições do Reino Unido para o Fundo Europeu de Defesa e para o orçamento. Por que não? Eles são uma potência nuclear. Eles são um ator global", disse ele.

    Silberhorn também teceu comentários sobre a presença militar norte-americana na Alemanha, afirmando que, apesar do anúncio do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de que haveria ainda menos tropas dos EUA no país, o destacamento militar dos EUA permanece bem-vindo em solo alemão.

    Mais:

    EUA enviarão parte de tropas retiradas da Alemanha para Polônia, diz Trump
    Pentágono autoriza retirada de 9.500 soldados dos EUA da Alemanha
    Alemanha e Reino Unido concordam em 'retirada ordenada' para o Brexit
    França, Alemanha e Reino Unido defendem acordo nuclear iraniano
    Tags:
    Donald Trump, Estados Unidos, União Europeia, Brexit, Reino Unido, Alemanha
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar