17:12 30 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    896
    Nos siga no

    Homem de 39 anos oriundo do Ruanda foi levado sob custódia e assume ter incendiado a Catedral de São Pedro e São Paulo de Nantes no último dia 18, causando grande estrago.

    O homem, que era voluntário na catedral, havia sido detido e questionado pela polícia francesa pouco depois do incêndio, devido ao fato de ter sido ele a fechar a catedral na sexta-feira (17) à noite.

    Contudo, em 19 de julho ele foi liberado, antes de ter sido novamente posto sob custódia ontem (25).

    Segundo publicou o jornal Presse-Oceán, o homem assumiu ter ateado o incêndio com três focos no interior da catedral, o que causou grandes estragos ao edifício.

    Se for considerado culpado, o homem poderá ser condenado a dez anos de prisão e a uma multa de € 150 mil (cerca de R$ 900 mil).

    Até o momento não se sabe o que teria levado o homem a cometer tal crime.

    Destroços no interior da Catedral de São Pedro e São Paulo de Nantes após o incêndio
    © REUTERS / Stephane Mahe
    Destroços no interior da Catedral de São Pedro e São Paulo de Nantes após o incêndio

    Sobre a identidade do voluntário, o responsável pela catedral, padre Hubert Champenois, disse na semana passada que se trata de um cidadão do Ruanda que veio para a França como refugiado "poucos anos atrás", publicou o portal Euronews.

    Por sua parte, o advogado do assumido autor do crime disse que ele "está consumido pelo remorso".

    O início da construção da catedral data de 1434, contudo, a construção só foi completada em 1891.

    Em 1972 a catedral já tinha sofrido um grande incêndio que destruiu seu teto, que foi posteriormente renovado com barras de concreto.

    Mais:

    Arqueólogos descobrem na Turquia igreja subterrânea do Império Bizantino (VÍDEO)
    Ataque a igreja deixa 5 mortos na África do Sul
    Igrejas do Rio voltam a ter missas presenciais neste sábado
    Tags:
    França, Nantes, catedral, incêndio
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar