09:10 28 Novembro 2020
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    71011
    Nos siga no

    Governo do Reino Unido anunciou nesta quarta-feira (22) que processo para cidadãos de Hong Kong obterem cidadania britânica iniciará a partir de janeiro e abriu entrada no país para cerca de 3.000.000 de pessoas.

    Por meio de um comunicado, o Ministério do Interior disse que indivíduos que possuem passaporte nacional britânico no exterior (British National Overseas) e seus familiares podem se mudar para o Reino Unido para trabalhar e estudar, segundo nota da agência AP. 

    "O Reino Unido tem um relacionamento forte e histórico com o povo de Hong Kong, e estamos defendendo a promessa de que eles mantenham suas liberdades", disse o secretário do Interior, Priti Patel. 

    Segundo o governo, não haverá testes ou requerimentos econômicos para a vinda dos cidadãos de Hong Kong. Além disso, eles poderão se mudar mesmo antes de ter uma oferta de trabalho. A avaliação é de que cerca de 3.000.000 de pessoas estarão aptas a migrar para o Reino Unido se desejarem.

    Os cidadãos de Hong Kong poderão solicitar visto permanente após permanecerem em território britânico por cinco anos. Em seguida, após 12 meses, poderão pedir cidadania. 

    Nova lei de segurança nacional

    A medida britânica surge após a China implementar a nova lei de segurança nacional de Hong Kong, que penaliza atos de subversão, terrorismo, secessão, conspiração com influência estrangeira e outros que ameaçam a segurança do território.

    Países ocidentais alegam que a lei servirá para diminuir liberdades de cidadãos de Hong Kong. Pequim, por sua vez, diz que o assunto é interno e as medidas servirão apenas para coibir crimes. 

    A Declaração Conjunta Sino-Britânica de 1984 estabeleceu que Hong Kong, após retornar para o domínio de Pequim, em 1997, manteria por 50 anos um amplo grau de autonomia como região administrativa especial na China.

    Em protesto contra a promulgação da nova política, o Reino Unido já havia suspendido seu tratado de extradição com Hong Kong. A China afirmou que a medida era uma violação do direito internacional. 

    Mais:

    Trump assina ordem executiva em represália à China e rompe status especial de Hong Kong
    Em visita ao Reino Unido, secretário de Estado dos EUA defende coalizão contra a China
    Pequim 'toma contramedida' e pratica ataque aéreo no mar do Sul da China
    Retaliação: China estaria considerando fechar consulado dos EUA em Wuhan
    Tags:
    terrorismo, democracia, segurança, Londres, Pequim, Priti Patel, Ministério do Interior, Hong Kong, Reino Unido, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar