09:45 10 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    3103
    Nos siga no

    A Alemanha quebrou sistematicamente as diretrizes da União Europeia (UE) vendendo armas para maus atores em todo o mundo, informou um novo estudo que alega que armas e equipamentos militares fabricados em solo alemão levaram a mais violência ao mundo.

    Ao longo dos anos, a Alemanha vende armas e munições para "países afetados por guerras e crises, para países com violações de direitos humanos e para regiões de tensão", destacou um novo trabalho do Instituto de Pesquisa da Paz de Frankfurt (PRIF).

    De acordo com os critérios da UE, o destinatário de armas deve respeitar os direitos humanos e o direito internacional, além de manter a paz e a estabilidade na região. No entanto, desde 1990, a Alemanha fez acordos repetidos com países com um histórico ruim de direitos humanos, como Argélia, Egito e Indonésia, muitas vezes vendendo hardware antigo de Bundeswehr, observou o PRIF.

    Em muitos casos, o equipamento acabou em zonas de guerra, como aconteceu na Indonésia, onde navios fabricados na Alemanha foram vistos transportando soldados durante uma insurgência na região de Aceh, na Indonésia.

    "As exportações de armas da Alemanha ajudam a alimentar o fluxo de armas e aumentar os riscos de escalada dos conflitos existentes, levando a [mais] violência", afirmaram os pesquisadores.

    O estudo suscita um alarme especial sobre a longa história de Berlim no fornecimento de tecnologia militar à Arábia Saudita e à Turquia. Em 2019, os principais tanques de batalha Leopard 2A4 fabricados na Alemanha foram usados ​​na invasão da Síria por Ancara, e Riad está travando uma sangrenta guerra aérea no Iêmen desde 2015.

    Dois caças alemães Eurofighter Typhoon
    © AP Photo / Ariel Schalit
    Dois caças alemães Eurofighter Typhoon

    Apesar dos crescentes relatos de baixas civis em massa, o governo alemão aprovou uma venda de armas no valor de 1,5 bilhão de euros (cerca de R$ 8,9 bilhões) para a Arábia Saudita desde o início de sua campanha de bombardeios, segundo o estudo. O trabalho observou que mesmo os caças Tornado e o Eurofighter Typhoon, fornecidos pelo Reino Unido, que realizam ataques aéreos nas cidades iemenitas "contêm peças produzidas na Alemanha".

    Grupos humanitários globais como a Human Rights Watch (HRW) há muito instam a Alemanha a parar de vender armas para a Arábia Saudita, enquanto alguns políticos dos partidos da oposição pressionam o governo a interromper a implementação do acordo com a Turquia. Finalmente, Berlim respondeu ao protesto suspendendo as exportações de armas para Riad e Ancara em 2018 e 2019, respectivamente.

    A medida não é suficiente, no entanto, acrescentou o estudo, apontando que "a moratória das exportações de armas tem brechas e é limitada no tempo".

    Mais:

    Jornal alemão iguala Bundeswehr à 'armazém de peças de reposição'
    Erdogan diz que Turquia não reconhece eleições parlamentares da Síria
    Proeminente líder houthi morre em meio a confrontos no Iêmen
    Tags:
    Bundeswehr, direitos humanos, guerra, Human Rights Watch, venda de armas, armas, União Europeia, Síria, Arábia Saudita, Turquia, Alemanha
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar