22:34 11 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    1131
    Nos siga no

    Os líderes da Alemanha, Itália e França afirmaram em publicação conjunta que estão prontos para impor sanções em resposta à violação do embargo de armas da ONU. 

    A chanceler alemã, Angela Merkel, o primeiro-ministro italiano, Giuseppe Conte, e o presidente francês, Emmanuel Macron, disseram que "instam os atores estrangeiros a encerrar sua crescente interferência e a respeitar plenamente o embargo de armas". 

    "Estamos prontos para considerar a possibilidade do uso de sanções, caso as violações do embargo por mar, terra e ar continuem", acrescentou o comunicado. 

    Além disso, o trio afirmou esperar que o chefe de política externa da União Europeia (UE), Josep Borrel, apresente propostas sobre a questão. 

    Patrulhamento do Mediterrâneo

    Os líderes reafirmaram seu compromisso com a Operação Irini, lançada no final de março pela UE para tentar impedir, por meio de patrulhas no Mediterrâneo, que contrabandistas levem armas para os grupos em guerra na Líbia 

    Os três disseram ainda que apoiam esforços da ONU para mediar um cessar-fogo prolongado no país do norte da África, e pediram que uma "potencial desmilitarização de certas áreas" esteja sobre a mesa. 

    A Líbia está dividida entre as duas administrações rivais desde 2011, quando seu antigo líder Muammar Kadhafi foi morto. O Exército Nacional da Líbia (LNA), comandando pelo general Khalifa Haftar, controla o leste do país, enquanto o Governo do Acordo Nacional (GNA), apoiado pela Turquia, controla o oeste líbio, incluindo a capital Trípoli. 

    Mais:

    Haftar assumirá poder na Líbia, declarando queda do acordo de unidade da ONU
    Relatório da ONU sobre política de Moscou na Líbia é um equívoco, afirma MRE da Rússia
    Em busca da paz: mais um país está prestes a entrar na guerra na Líbia
    França suspende participação em missão da OTAN devido à conduta da Turquia na Líbia
    Tags:
    ONU, conflito, Emmanuel Macron, França, Giuseppe Conte, Itália, Angela Merkel, Alemanha, Trípoli, Khalifa Haftar, guerra, África, Líbia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar