15:27 28 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    4174
    Nos siga no

    Sete grandes empresas de investimento europeias revelaram que vão se desfazer de produtores de carne bovina, comerciantes de grãos e até títulos do governo no Brasil, caso não vejam progresso na resolução da crescente destruição da Floresta Amazônica.

    As crescentes ameaças de investidores com mais de US$ 2 trilhões (R$ 10,6 trilhões) em ativos sob gestão, incluindo a Nordea, com sede na Finlândia, e o Legal & General Investment Management (LGIM) do Reino Unido, mostram como o setor privado está adotando ações globais para proteger a maior floresta tropical do mundo, segundo noticiou a agência Reuters.

    O presidente brasileiro Jair Bolsonaro vem enfrentando constante pressão diplomática sobre o assunto, insistindo que o país é exemplo na proteção ao meio ambiente, embora os dados oficiais do próprio governo mostrem o contrário.

    O desmatamento da Amazônia brasileira subiu para uma alta de 11 anos em 2019, primeiro ano de Bolsonaro, e aumentou 34% nos primeiros cinco meses de 2020, de acordo com dados preliminares do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE). O mandatário enfraqueceu as proteções ambientais e pediu mais mineração e agricultura na região amazônica.

    "As tendências que vimos no Brasil são muito preocupantes", avaliou Daniela da Costa-Bulthuis, gerente de portfólio do Brasil para o gerente de ativos da Holanda, Robeco. "Você desmantela os mecanismos regulatórios de controle ambiental desde o ano passado".

    A assessoria de Bolsonaro se recusou a comentar as preocupações dos investidores. No ano passado, ele defendeu o histórico ambiental do Brasil contra críticas de líderes mundiais, enquanto incêndios destrutivos na Amazônia provocaram protestos globais. Até o momento, a pressão corporativa se mostrou mais eficaz em desviar a atenção de Brasília para o meio ambiente.

    Líderes europeus e presidente sul-americanos - Jair Bolsonaro e Mauricio Macri - posam para foto na reunião do G20 em Osaka, no Japão
    © AP Photo / Eugene Hoshiko
    Líderes europeus e presidente sul-americanos - Jair Bolsonaro e Mauricio Macri - posam para foto na reunião do G20 em Osaka, no Japão

    Um projeto de lei proposto originalmente por Bolsonaro para conceder ações de propriedade de terras públicas irregularmente estabelecidas, uma medida vista como incentivadora do desmatamento, não conseguiu ser votado em maio e agora está atrasado indefinidamente depois que mais de 40 empresas europeias ameaçaram boicotar as exportações brasileiras.

    Sob escrutínio

    Em setembro, 230 investidores institucionais assinaram uma carta pedindo ações urgentes para combater os incêndios na Floresta Amazônica, capturando a atenção global.

    No entanto, as sete empresas de gestão de ativos que conversaram com a agência de notícias - Storebrand, AP7, KLP, DNB Asset Management, Robeco, Nordea Asset Management e LGIM - foram mais longe ao expor a ameaça de desinvestimento, se não houver progresso. As empresas detêm mais de US$ 5 bilhões (R$ 26,7 bilhões) em investimentos vinculados ao Brasil, incluindo traders globais de grãos com grandes operações no país.

    O maior fundo de pensão da Noruega, KLP, afirmou estar envolvido com as empresas de comércio Archer Daniels Midland (ADM), Cargill e Bunge e julgando se suas políticas ambientais são adequadas.

    "Se a nossa conclusão for negativa, o desinvestimento pode ser o resultado provável, potencialmente já neste ano, e esperamos que essa ação faça com que outros investidores maiores sigam nossa liderança", informou Jeanett Bergan, chefe de investimentos responsáveis ​​da KLP, por e-mail.

    Em resposta a perguntas sobre desinvestimento, a Bunge e a Cargill descreveram uma série de esforços para erradicar o desmatamento de suas cadeias de suprimentos, citando sua adesão à "Moratória da Soja Amazônica". Nesse acordo voluntário, as grandes empresas comerciais se comprometeram a não comprar soja de partes da Amazônia desmatadas desde 2008.

    A companhia norueguesa de seguros e pensões Storebrand e o maior fundo nacional de pensões da Suécia, AP7, também disseram que poderiam se desfazer da ADM e da Bunge se as empresas não adotarem medidas adequadas para combater o desmatamento.

    Vista aérea de queimada na Floresta Amazônia, vista à partir da cidade de Porto Velho, capital de Rondônia
    © Folhapress / André Cran
    Vista aérea de queimada na Floresta Amazônia, vista à partir da cidade de Porto Velho, capital de Rondônia

    O DNB Asset Management AS da Noruega destacou que os fundos de índice que administra, que incluem participações na Bunge, podem excluir empresas que não cumpram seus padrões de sustentabilidade.

    Outras empresas de investimento mencionaram preocupações relacionadas aos frigoríficos brasileiros, que no passado haviam examinado minuciosamente o fornecimento de carne bovina de áreas desmatadas da Amazônia. A LGIM está pressionando as empresas brasileiras, incluindo a maior frigorífica do mundo, a JBS, e as rivais menores Marfrig e Minerva por "metas climáticas robustas e políticas de uso da terra, com a inação potencialmente levando a sanções de votação e desinvestimentos direcionados", destacou Yasmine Svan, analista sênior de sustentabilidade na LGIM, em um comunicado enviado por e-mail.

    JBS, Minerva e Marfrig disseram em declarações separadas que estão comprometidas com a eliminação do desmatamento da Amazônia de suas cadeias de fornecimento e detalharam seus esforços.

    'Ministro do Meio Ambiente devia ter sido demitido'

    O braço de gerenciamento de ativos do Nordea, um dos maiores bancos dos países nórdicos, interrompeu as compras da dívida soberana brasileira no ano passado, depois que os incêndios florestais explodiram, colocando seus aproximadamente 100 milhões de euros (R$ 599,4 milhões) em títulos do governo brasileiro em "quarentena".

    Thede Ruest, chefe de dívida de mercados emergentes da Nordea Asset Management, disse que a empresa poderia ir mais longe.

    "O próximo nível de escalada da quarentena na verdade significa vender nossos títulos do governo do Brasil, o que poderia desencadear outros fundos após o processo", disse Ruest. "Estamos desapontados com a falta de progresso do atual governo, com as taxas de desmatamento continuando a subir antes de outra grande temporada de incêndios".

    Da Costa-Bulthuis, da Robeco, que administra pelo menos 3 bilhões de euros (R$ 18 bilhões) em ações brasileiras e até 5 bilhões de euros (R$ 30 bilhões) ao incluir dívida e outros ativos, se recusou a comentar sobre participações específicas. Mas ela explicou que a empresa pode reduzir sua exposição ao Brasil se seu registro ambiental se deteriorar ainda mais.

    Junto com Svan, da LGIM, e Ruest, da Nordea, Da Costa-Bulthuis expressou preocupação com o recente vídeo de uma reunião do gabinete brasileiro, divulgada devido a uma investigação federal. Na gravação, o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, sugeriu a Bolsonaro e outros ministros que o governo acelere a desregulação ambiental enquanto o público se distrai com a atual pandemia do novo coronavírus.

    "Ele está trabalhando contra o meio ambiente. O que ele disse foi inaceitável", avaliou Costa-Bulthuis. "Se eles [o governo] forem sensatos ou não, acho que uma maneira de começar seria mudar o ministro do Meio Ambiente, porque esse cara não tem credibilidade".

    Ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles.
    © Foto / Gilberto Soares/Divulgação/Ministério do Meio Ambiente
    Ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles.

    Na época, o ministro disse que estava apenas pedindo o corte da burocracia inútil que dificulta o investimento. Da sua parte, Bolsonaro despachou os militares no mês passado para combater a destruição da Amazônia, embora o desmatamento tenha aumentado novamente em maio em comparação com o ano anterior pelo 13º mês consecutivo.

    Da Costa-Bulthuis pontuou que a implantação foi "o mínimo" que o governo poderia fazer e não um substituto adequado para o fortalecimento de agências especializadas em fiscalização ambiental. "Não achamos que eles estejam fazendo o suficiente".

    Mais:

    ONG dos EUA critica envio de tropas de Bolsonaro à Amazônia: 'Quer abrir a floresta aos negócios'
    Desmatamento da Amazônia bate recorde e destrói área do tamanho do Líbano
    Embaixador alemão alerta que, sem queda na destruição da Amazônia, acordo UE-Mercosul não deve sair
    Tags:
    agricultura, pecuária, carne, sustentabilidade, desmatamento, Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), Ministério do Meio Ambiente, agronegócio, investimento externo, investimentos, Floresta Amazônica, Amazônia, Brasil, Europa
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar