12:21 13 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    Situação do mundo com COVID-19 em meados de junho (50)
    0 43
    Nos siga no

    Como parte de uma proposta de orçamento da União Europeia (UE), a Alemanha pode dar como certo um aumento de 42% a partir de 2021 dos seus já consideráveis ​​pagamentos anuais para Bruxelas, totalizando 308 bilhões de euros (R$ 1,8 trilhão) nos próximos sete anos.

    Berlim teria que pagar 13 bilhões de euros (R$ 76 bilhões) a mais a cada ano do que atualmente, informou o diário Die Welt citando cálculos que o governo federal deu em resposta a um pedido de Gerald Ullrich, membro do liberal Partido Democrata Livre (FDP). Essa avaliação baseia-se na atual proposta da Comissão Europeia (CE).

    Por enquanto, Berlim contribui com aproximadamente 31 bilhões de euros (R$ 181,1 bilhões) para Bruxelas por ano, mas se a proposta - que cobre as finanças europeias pelos próximos sete anos - receber sinal verde, a soma total é projetada para virar enormes 308 bilhões de euros (R$ 1,8 trilhão) ao longo desse período, informou o Die Welt.

    A potência europeia já está enviando mais dinheiro para Bruxelas do que qualquer outro país dentro do bloco. As estatísticas para 2018 colocaram a Alemanha muito à frente da França e do Reino Unido. Agora, a saída deste último já afetou pesadamente as finanças da UE.

    Manifestantes seguram cartazes e bandeiras na manifestação contra a Traição ao Brexit, em frente às Casas do Parlamento em Londres.
    © AP Photo / Tim Ireland
    Manifestantes seguram cartazes e bandeiras na manifestação contra a "Traição ao Brexit", em frente às Casas do Parlamento em Londres.

    O aumento de 13 bilhões de euros (R$ 76 bilhões) está ligado ao Brexit, de acordo com o jornal alemão, ao deixar o bloco sem um de seus maiores contribuintes líquidos, o Reino Unido. A chefe da CE, Ursula von der Leyen - uma ex-ministra da Defesa da Alemanha - prometeu economizar custos, mas ao mesmo tempo faz com que os membros da UE paguem mais.

    Gasto extra será gasto em digitalização, pesquisa, proteção de fronteiras externas, mudança climática e no programa de intercâmbio acadêmico Erasmus, declarou Ullrich ao Die Welt.

    Os líderes da UE devem realizar uma cúpula virtual nesta sexta-feira (19), para discutir por meio de uma videoconferência o orçamento do bloco para o período 2021-27, que integra o plano de recuperação planejado em meio à pandemia do novo coronavírus. Berlim não deu pistas ao comentar uma questão delicada.

    "É claro que é muito cedo para lançar números específicos agora", afirmou o porta-voz do governo alemão, Steffen Seibert, em entrevista coletiva em Berlim, conforme citado pela agência Reuters. Ele reconheceu, no entanto, que estava claro mesmo antes da pandemia que as contribuições da Alemanha aumentarão dramaticamente sob as atuais circunstâncias.
    Tema:
    Situação do mundo com COVID-19 em meados de junho (50)

    Mais:

    Embaixador alemão alerta que, sem queda na destruição da Amazônia, acordo UE-Mercosul não deve sair
    UE culpa China por 'desinformação', mas se nega a tornar isso em uma Guerra Fria, diz diplomata
    Suécia e Polônia são os únicos da UE a não terem atingido o pico da COVID-19, diz artigo
    Tags:
    França, Bruxelas, Ursula von der Leyen, Comissão Europeia, União Europeia, novo coronavírus, COVID-19, Reino Unido, Alemanha, Europa
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar