09:57 20 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    Situação do mundo com COVID-19 em meados de junho (50)
    221
    Nos siga no

    A China realizou "operações de influência direcionada e campanhas de desinformação" em meio à pandemia, afirma o principal diplomata da União Europeia (UE), Josep Borrell, que divulgou um relatório sobre o assunto, mas citou algumas fontes duvidosas.

    O relatório, publicado na quarta-feira (10), detalha a resposta da UE a um "infodêmico sem precedentes" - ou seja, a propagação de informações falsas ou enganosas sobre a COVID-19 - ocorrendo em meio à pandemia. Parte disso foi atribuída a "operações de influência estrangeira" e apontou a China e a Rússia como culpadas.

    Borrell, representante de Relações Exteriores da UE, disse que discutiu as queixas de Bruxelas sobre Pequim com o ministro das Relações Exteriores da China, Wang Yi, durante uma recente videoconferência e tentou manter a conversa sem confrontos.

    "Eu disse a ele: 'não se preocupe - a Europa não entrará em nenhum tipo de Guerra Fria com a China'", declarou Borrell, citado pela agência AFP.

    As acusações contra a Rússia e a China expressas no relatório são baseadas em pesquisas fornecidas pelo Serviço Europeu para a Ação Externa e seu grupo de pesquisa EUvsDisinfo.

    No entanto, seu trabalho pode não ser tão confiável quanto a liderança da UE aparentemente acredita. Em abril, um órgão de fiscalização da mídia do Reino Unido criticou o documento, dizendo que o EUvsDisinfo tendia a deturpar a cobertura da pandemia da COVID-19 na mídia russa, enquanto suas manchetes e resumos de casos individuais ou supostas informações falsas estavam limitados à desinformação.

    Chefe da Política Externa da União Europeia, Josep Borrell, durante coletiva de imprensa em Bruxelas
    © AP Photo / Kenzo Tribouillard / Pool Photo
    Chefe da Política Externa da União Europeia, Josep Borrell, durante coletiva de imprensa em Bruxelas

    Enquanto isso, Washington está tentando culpar a China pelo surto de COVID-19. As autoridades americanas acusaram Pequim de subnotificar a gravidade da infecção, depois que ela foi identificada na cidade de Wuhan, e possivelmente até de causar a crise global de saúde, devido a um vazamento de uma cepa da doença em um laboratório. A China negou as acusações e afirmou que não passavam de uma manobra política.

    Até agora, os países europeus parecem relutantes em embarcar na narrativa dos EUA, mas algumas autoridades da UE acusaram a China de tentar marcar pontos políticos na parte de trás da pandemia, inclusive por meios desagradáveis. Pequim negou que esse seja o caso. O embaixador da China na UE, Zhang Ming, chamou a desinformação de "um inimigo para todos nós".

    O relatório também diz que o bloco precisa aumentar as comunicações estratégicas, tanto internamente quanto com parceiros de fora da UE, principalmente aliados da OTAN; pressionar as plataformas online para torná-las mais fortes ao lidar com as falsidades da COVID-19; e impulsionar a verificação de fatos e o debate pluralista online para lidar com o chamado "infodêmico".

    Tema:
    Situação do mundo com COVID-19 em meados de junho (50)

    Mais:

    Merkel: Esforços pelo desarmamento devem incluir EUA, Rússia, UE e China
    China promete à UE que abrirá a sua economia para empresas estrangeiras
    China garante para UE: somos sócios com benefícios e não concorrentes de soma zero
    Tags:
    Wang Yi, novo coronavírus, COVID-19, pandemia, diplomacia, Josep Borrell, Rússia, fake news, desinformação, Guerra Fria, União Europeia, Estados Unidos, Europa, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar