22:00 23 Novembro 2020
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    COVID-19 desafia mundo no início de junho (54)
    260
    Nos siga no

    A pandemia do novo coronavírus causou um "choque rápido e maciço" que levou ao colapso mais amplo da economia global desde 1870, apesar do apoio sem precedentes dos governos, informou o Banco Mundial (BM) nesta segunda-feira (8).

    A economia mundial deverá contrair 5,2% este ano - a pior recessão em 80 anos -, mas o grande número de países que sofrem perdas econômicas significa que a escala da desaceleração é pior do que qualquer recessão em 150 anos, disse o BM em seu último relatório Global Economic Prospects.

    "Essa é uma perspectiva profundamente preocupante, com a crise provavelmente deixando cicatrizes duradouras e colocando grandes desafios globais", avaliou Ceyla Pazarbasioglu, vice-presidente de crescimento equitativo, finanças e instituições do BM.

    A profundidade da crise levará de 70 a 100 milhões de pessoas à extrema pobreza - pior do que a estimativa anterior de 60 milhões, contou ela a repórteres.

    E enquanto o credor do desenvolvimento de Washington projeta uma recuperação para 2021, existe o risco de que uma segunda onda de surtos possa minar a recuperação e transformar a crise econômica em uma financeira que sofrerá uma "onda de inadimplência".

    Os economistas têm lutado para medir o impacto da crise que compararam a um desastre natural global, mas o tamanho do impacto em tantos setores e países tornou difícil o cálculo e fez previsões sobre qualquer recuperação altamente incertas.

    No pior cenário, a recessão global pode significar uma contração de 8%, de acordo com o relatório. Mas Pazarbasioglu alertou que, "diante dessa incerteza, é muito provável que ocorram mais rebaixamentos nas perspectivas".

    A sede do Banco Mundial em Washington
    A sede do Banco Mundial em Washington

    Exportadores como o Brasil perderão mais, alerta banco

    Embora a China esteja quase sozinha em ver um crescimento modesto neste ano, a profundidade da desaceleração na segunda maior economia do mundo dificultará as perspectivas de recuperação nos países em desenvolvimento, especialmente os exportadores de commodities, alertou o BM.

    Embora a China veja o PIB subir apenas 1%, disse o BM, o restante das previsões é sombrio: EUA -6,1%, zona do euro -9,1%, Japão -6,1%, Brasil -8%, México -7,5% e Índia - 3,2%. E as coisas podem piorar, o que significa que as previsões serão revistas ainda mais, alertou o banco.

    Permanecem alguns riscos "excepcionalmente altos" para as perspectivas, principalmente se os surtos atuais persistirem ou se recuperarem, fazendo com que as autoridades reimponham restrições que podem tornar a crise tão ruim quanto 8%.

    "Interrupções nas atividades enfraqueceriam a capacidade das empresas de permanecer em operação e pagar suas dívidas", alertou o relatório.

    Isso, por sua vez, poderia aumentar as taxas de juros para os tomadores de maior risco. "Com os níveis de dívida já em patamares históricos, isso poderia levar a problemas em cascata e crises financeiras em muitas economias".

    Porém, mesmo que a recuperação global de 4,2% projetada para 2021 se concretize, "em muitos países, recessões profundas desencadeadas pela COVID-19 provavelmente pesarão na produção potencial nos próximos anos".

    Tema:
    COVID-19 desafia mundo no início de junho (54)

    Mais:

    Economia dos EUA está em queda livre e crise é inevitável, advertem especialistas
    Economista explica por que 'não vai haver entrada de capitais novos' no Brasil
    Guerra comercial com EUA faz China impor novas barreiras a produtos brasileiros, diz economista
    Tags:
    COVID-19, pobreza, recessão, economia mundial, economia, Banco Mundial, Brasil, China, Estados Unidos, Europa
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar