12:52 02 Julho 2020
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    COVID-19 desafia mundo no início de junho (54)
    665
    Nos siga no

    A Organização Mundial de Saúde (OMS) retomará os seus testes de hidroxicloroquina para potencial uso contra o novo coronavírus, disse seu chefe nesta quarta-feira (3), após os responsáveis ​​pelo estudo terem suspendido os trabalhos por efeitos colaterais.

    A OMS interrompeu no mês passado a parte de seu amplo estudo de tratamentos contra a COVID-19, no qual pacientes recém-inscritos estavam recebendo o medicamento antimalárico para tratar a doença, depois do aumento das taxas de mortalidade e batimentos cardíacos irregulares.

    O estudo continuou com outros medicamentos, de acordo com a organização.

    Mas o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, afirmou que seus especialistas aconselharam a continuação de todos os ensaios, incluindo a hidroxicloroquina, cujo patrocinador de maior destaque para uso contra o coronavírus é o presidente dos EUA, Donald Trump. O líder brasileiro Jair Bolsonaro também é um entusiasta do remédio.

    "O grupo executivo se comunicará com os principais investigadores no julgamento sobre a retomada do braço de hidroxicloroquina", disse Tedros em entrevista coletiva on-line, referindo-se à iniciativa da OMS de realizar testes clínicos de possíveis tratamentos para COVID-19 em cerca de 3.500 pacientes em 35 países.
    Diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, fala durante conferência em Montevidéu
    © AP Photo / Matilde Campodonico
    Diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, fala durante conferência em Montevidéu

    A decisão da OMS de suspender seu estudo levou outros a seguir o exemplo, incluindo a empresa Sanofi. Um porta-voz da Sanofi declarou que a companhia revisará as informações disponíveis e realizará consultas nos próximos dias para reavaliar sua posição após a última decisão da OMS nesta quarta-feira (3).

    O cientista chefe da OMS, Soumya Swaminathan, pediu que outros ensaios com a droga continuem. "Devemos que os pacientes tenham uma resposta definitiva sobre se um medicamento funciona ou não", informou ela, acrescentando que o monitoramento de segurança também deve continuar.

    Swaminathan explicou que a OMS gostaria de ver mais resultados de ensaios clínicos com Avifavir, um medicamento que ela disse que seria usado para tratar a COVID-19 em hospitais russos "muito em breve".

    No mesmo briefing virtual, as autoridades da OMS disseram que estavam especialmente preocupadas com surtos na América Latina e no Haiti, um dos países mais pobres do mundo, onde as infecções estão se espalhando rapidamente.

    O novo coronavírus infectou quase 3 milhões de pessoas nas Américas e mais de 6,43 milhões em todo o mundo.

    Tema:
    COVID-19 desafia mundo no início de junho (54)

    Mais:

    'Ou você toma cloroquina ou não tem nada', diz Bolsonaro
    Protocolo de uso da cloroquina deve ser 'revisto', diz Nelson Teich
    Médico avalia doação de cloroquina dos EUA ao Brasil
    Tags:
    COVID-19, Rússia, saúde, Jair Bolsonaro, Donald Trump, OMS, América Latina, Brasil, Haiti, Estados Unidos, Europa
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar