00:23 04 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    COVID-19 desafia mundo no início de junho (54)
    260
    Nos siga no

    O epidemiologista-chefe da Agência de Saúde Pública da Suécia, Anders Tegnell, disse que o país poderia ter feito mais para combater o novo coronavírus no país. 

    A nação europeia é frequentemente citada por apoiadores do presidente Jair Bolsonaro como exemplo na luta contra a COVID-19. O país não adotou medidas de isolamento social rígidas. 

    A Suécia apresenta uma das maiores taxas de mortalidade per capita da enfermidade no mundo. 

    Em entrevista para a rádio Sveriges, segundo publicado pela agência AP, Anders Tegnell admitiu que a Suécia poderia ter feito mais no combate ao vírus.

    "Acho que há potencial de melhoria no que fizemos na Suécia, com bastante clareza", disse. Ao ser perguntado se o número de mortos registrado no país teria feito ele reconsiderar a estratégia em relação à pandemia, Telgnell respondeu: "Sim, absolutamente".

    Em coletiva, defesa de estratégia

    No entanto, em coletiva de imprensa realizada nesta quarta-feira (3), o epidemiologista defendeu a atuação do governo na gestão da crise do coronavírus. 

    Ele negou que a "estratégia sueca estava errada e deveria ter sido mudada". Mas afirmou que sempre há espaço para melhorias. 

    "Nós ainda acreditamos que nossa estratégia é boa, mas sempre há espaço para aprimoramentos", disse Tegnell na coletiva realizada em Estocolmo. 

    A Suécia optou por não fechar o país e sua economia, incentivando os cidadãos a adotarem por conta própria medidas de isolamento e combate ao vírus. Escolas, bares e restaurantes permaneceram abertos no país. Apenas aglomerações de mais de 50 pessoas foram proibidas. 

    Segundo a Agência de Saúde, 4.542 pessoas morreram de COVID-19 na Suécia, país de 10,2 milhões de habitantes, número maior do que o registrado em outras nações nórdicas, que não ultrapassaram a marca de 600 óbitos cada uma. 

    Taxas de mortalidade

    O epidemiologista disse ainda na coletiva que o governo, "se encontrasse a doença de novo, sabendo precisamente o que sabemos hoje", adotaria posição "entre" o que a Suécia aplicou e o "resto do mundo fez". 

    Segundo a Universidade Johns Hopkins, a taxa de mortalidade no país é de 43,2 por 100 mil habitantes, mais baixa do que na Espanha (58,1) e Itália (55,4), países que adotaram lockdown, mas é maior do que o índice registrado nos Estados Unidos (32,1) e Brasil (14,3). 

    Tema:
    COVID-19 desafia mundo no início de junho (54)

    Mais:

    Vacina para coronavírus em forma incomum está em desenvolvimento na Rússia
    México encerra o mês de maio com mais de 90 mil casos de coronavírus e quase 10 mil óbitos
    Desenvolvida lâmpada ultravioleta de alta intensidade que poderia matar coronavírus
    Tags:
    Jair Bolsonaro, bolsonarismo, economia, doença, epidemia, pandemia, COVID-19, novo coronavírus, Brasil, Suécia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar