22:05 04 Abril 2020
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    Coronavírus se espalha pelo mundo (498)
    8144
    Nos siga no

    Segundo a representante da Organização Mundial da Saúde na Rússia, há vários fatores que poderão ter contribuído para o elevado número de mortes em Itália, entre eles a população idosa do país.

    O elevado número de mortes na Itália pode ser explicado pelo fato de as autoridades sanitárias não terem sido capazes de detectar a propagação da epidemia desde o início, aponta Melita Vujnovic, a representante da Organização Mundial da Saúde (OMS) na Rússia, em uma entrevista à publicação russa RBС.

    "Parece que houve muitas pessoas na Itália que ficaram doentes de repente, mas não está claro como isso aconteceu, [é algo que] agora os especialistas estão investigando. A população pode não ter compreendido que estava doente, podia desconhecer os sintomas da doença e podia não saber aonde recorrer", disse Vujnovic.

    Quanto maior for a idade média de uma população, relata ela, maior é a taxa de mortalidade, o que explica as mais de 1.000 mortes na Itália. Vujnovic também refere que é impossível dizer se o SARS-CoV-2 atingiu seu pico, uma vez que não existem dados suficientes para concluir.

    A taxa de mortalidade é agora de cerca de 3%, mas o número exato não será conhecido até que a epidemia termine. Ainda não há crianças ou jovens entre os falecidos, mas à medida que a idade dos doentes aumenta também sobe a taxa de mortalidade. Na faixa etária acima dos 80 anos a mortalidade pode chegar a 14%, informa a representante da OMS.

    A vacina contra o coronavírus está sendo desenvolvida pelas mesmas pessoas que estão desenvolvendo vacinas contra a gripe sazonal. Contudo, não se trata de algo semelhante ao que inventou o microbiologista francês Louis Pasteur.

    "Ninguém submeterá a população a testes maciços, mas o pessoal de saúde que trata do coronavírus conseguirá encontrar voluntários e fazer os testes necessários", salienta a interlocutora.

    As vacinas modernas consistem de material genético que ajuda os leucócitos a saberem que um corpo indesejado entrou no organismo. Desta forma, elas formam uma memória nos glóbulos brancos para que, se o vírus aparecer, eles possam reconhecê-lo e atacá-lo.

    Tema:
    Coronavírus se espalha pelo mundo (498)

    Mais:

    Região italiana da Lombardia pede ajuda a Cuba no combate à COVID-19
    Após coronavírus derrubar vendas, governo da Itália deve nacionalizar companhia aérea
    China prestará assistência à Itália no combate à COVID-19
    Tags:
    Itália, RBK, Rússia, Organização Mundial da Saúde
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar