19:22 01 Junho 2020
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    4132
    Nos siga no

    Desde valas comuns, enterros em massa e militares nas ruas, documento criado pela Parceria de Resiliência de Londres prevê medidas em caso de epidemia altamente mortífera.

    O plano de contingência traz consigo uma série de medidas elaboradas ainda em 2014, e que seriam tomadas caso a cidade de Londres se torne palco da morte de pelo menos 39.600 pessoas por alguma doença viral.

    Conforme publicou o tabloide Daily Star, as autoridades locais do Reino Unido foram notificadas pelo Gabinete do governo britânico para preparar seus próprios planos em caso de grande número de mortes pelo surto do coronavírus.

    O que fazer com os cadáveres?

    De acordo com o documento de contingência elaborado pela Parceria de Resiliência de Londres (LRP, na sigla em inglês) 1.058 pessoas poderiam morrer semanalmente na capital britânica na "pior hipótese possível" de uma epidemia.

    Para lidar com os cadáveres, seriam necessários armazéns e mecanismos apropriados, assim como a flexibilização da legislação do país para lidar com os restos mortais.

    Além disso, seriam realizadas rápidas cremações e enterros, enquanto militares seriam chamados para recolher os corpos das vítimas.

    Os lugares fúnebres operariam "24 horas por dia, e sete dias por semana" para lidar com a demanda, enquanto valas comuns seriam o método "mais fácil" para rituais fúnebres, que poderiam contar com o uso de máquinas pesadas.

    Contudo, o uso de valas comuns seria a última opção a ser considerada em nome da "dignidade e respeito" pelas vítimas.

    Prática religiosa

    Apesar do cenário caótico, rituais religiosos também são previstos pelo documento.

    Para tanto, o documento, ainda elaborado em 2014, quando o atual primeiro-ministro Boris Johnson era prefeito de Londres, estima o uso de aparelhos de refrigeração para a mais longa preservação dos corpos.

    Coronavírus no país

    É válido ressaltar que, até o momento, o Reino Unido apresentou 19 casos confirmados do coronavírus de origem chinesa.

    Também um britânico faleceu a bordo do navio de cruzeiro Diamond Princess que tinha sido submetido à quarentena no Japão.

    Mais:

    Líder norte-coreano orienta exercícios militares e exalta 'sérias consequências' do coronavírus
    Casal francês é obrigado pela Justiça a ficar internado em Paraty por suspeita de coronavírus
    Cientistas do Brasil e de Oxford sequenciam genoma do novo coronavírus detectado em SP
    Tags:
    surto, epidemia, mortes, Londres, saúde pública, plano
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar