23:26 04 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    1281
    Nos siga no

    Em um discurso televisionado para marcar a retirada do Reino Unido da União Europeia (UE), o presidente francês Emmanuel Macron classificou o Brexit como um "sinal de alarme histórico" que deve "estimular" a profunda reforma da UE para construir um bloco poderoso e eficiente.

    Descrevendo a sexta-feira como um "dia triste", Macron disse que a campanha do Brexit de 2016 foi baseada em mentiras, exageros e verificações prometidas, mas nunca se concretizarão.

    Ele declarou ainda que o Reino Unido deixando o bloco foi um choque, mas que isso aconteceu porque a Europa havia sido usada como bode expiatório para dificuldades "com muita frequência".

    Macron também falou sobre as relações históricas e futuras entre o Reino Unido e a França, dizendo que a longa história da dupla é "uma feita de sangue, liberdade, coragem e batalhas".

    Apoiadores do Brexit comemoram a oficialização da saída da União Europeia em frente ao Parlamento.
    © REUTERS / Simon Dawson
    Apoiadores do Brexit comemoram a oficialização da saída da União Europeia em frente ao Parlamento

    O líder francês disse que seus compatriotas nunca esqueceriam o quanto devem ao Reino Unido, acrescentando que, embora o povo britânico não terá mais os mesmos direitos na UE após o Brexit, os cidadãos britânicos que vivem na França ainda estarão "em casa" lá.

    Macron afirmou que quer ver um relacionamento próximo com o Reino Unido pós-Brexit, mas o país não pode simplesmente entrar e sair da UE ao mesmo tempo, e a França continuará a defender os interesses de suas áreas de pesca e agricultura - duas áreas-chave que os países já enfrentaram antes.

    "E nesta negociação, permaneceremos unidos, todos nós 27", destacou ele sobre os demais países-membros da UE.

    Macron assumiu uma posição dura nas negociações sobre o Brexit, principalmente porque o governo britânico pediu uma série de extensões à data de saída original de 29 de março de 2019.

    O presidente francês também estava entre os líderes mais expressivos da UE ao se opor aos esforços do primeiro-ministro britânico Boris Johnson de reabrir as negociações do Brexit depois que ele assumiu o cargo antes ocupado por Theresa May.

    Mais:

    Rainha Elizabeth II aprova projeto de lei sobre Brexit
    Parlamento Europeu ratifica acordo do Brexit
    Brexit: clima de incertezas cruza oceano e preocupa Ilhas Malvinas
    Tags:
    política, diplomacia, reforma, Brexit, Theresa May, Boris Johnson, Emmanuel Macron, Reino Unido, França, Europa
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar