15:35 24 Fevereiro 2020
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    214
    Nos siga no

    O chanceler estoniano, Urmas Reinsalu, se referiu às sanções contra a Sputnik Estônia como questão de "defesa da Europa".

    Reinsalu explicou que as sanções são resultado de exigências da União Europeia e não dirigidas diretamente à Sputnik, mas, sim, contra o diretor-geral da agência de notícias internacional Rossiya Segodnya (a qual tanto a agência Sputnik como o canal RT fazem parte), Dmitry Kiselev, que é alvo de sanções econômicas pessoais.

    "Isso não tem nada a ver com a liberdade de imprensa, mas, sim, com a defesa da Europa e da liberdade", afirmou Reinsalu à Sputnik nos corredores do fórum de política internacional, que está sendo realizado em Nova Deli.

    Segundo contou a chefe da Sputnik Estônia, Elena Cherysheva, ao canal de televisão ETV+, as autoridades estonianas alegam que a Rossiya Segodnya é controlada por Kiselev, por ele assinar os documentos. Cherysheva ressaltou que a Rossiya Segodnya é uma agência de notícias federal, que não é sido alvo de nenhuma sanção, sendo Kiselev apenas um funcionário.

    Apelo à UNESCO

    A agência de notícias internacional Rossiya Segodnya escreveu cartas aos líderes da Federação Internacional de Jornalistas (IFJ, na sigla em inglês), UNESCO e Repórteres Sem Fronteiras (RSF) chamando atenção para a situação enfrentada pela Sputnik Estônia, cujos funcionários foram ameaçados com processos criminais caso não se demitissem.

    Nas referidas cartas, o diretor-executivo Kirill Vyshinsky expôs detalhadamente a "longa campanha de pressão e intimidação" movida pelas autoridades estonianas contra a Sputnik Estônia.

    "Solicito que requeiram explicações concretas às autoridades estonianas por desrespeitarem os regulamentos das Nações Unidas e do Conselho da Europa que alegam respeitar", lê-se na carta.

    Vyshinsky manifestou disponibilidade para se encontrar pessoalmente com os chefes das três organizações destinatárias das cartas para discussão dos problemas envolvendo "a liberdade de opinião, a perseguição à mídia e a possibilidade de cooperação no combate a crimes contra jornalistas".

    Cerco à Sputnik

    Em dezembro do ano passado, os funcionários da Sputnik Estônia foram notificados pelos Departamentos da Polícia e do Controle Fronteiriço estonianos com cartas ameaçadoras de abertura de processo criminal contra quem se opusesse a cortar laços trabalhistas com a agência de notícias principal Rossiya Segodnya.

    Os jornalistas da Sputnik Estônia se viram obrigados a acatar a ordem, e o site da Sputnik Estônia entrou em estado de emergência no dia 1º de janeiro e agora está desativado.

    Rossiya Segodnya considera atitude das autoridades estonianas clara e ilegal perseguição, além de gravíssima violação dos princípios da liberdade de opinião, exortando todas as organizações europeias e mundiais, como a ONU, UE, OSCE, Parlamento Europeu e Repórteres Sem Fronteiras a tomarem posição.

    Presidente da Rússia, Vladimir Putin, assegurou que Moscou não economizará esforços para que as redações da Sputnik continuem funcionando normalmente em outros países. Já o Ministério das Relações Exteriores russo criticou as atitudes de Tallinn e prometeu retaliações.

    Harlem Désir, chefe da OSCE para a liberdade de imprensa, destacou que a aplicação de sanções à Sputnik devido a Kiselev cria um problema na esfera da liberdade de imprensa.

    Mais:

    Editora-chefe da Sputnik apela à Estônia para não permitir prisão de jornalistas da agência
    Ações tomadas contra Sputnik pelas autoridades da Estônia são perseguição, diz chancelaria russa
    Por trás das ações da Estônia no caso Sputnik estão patrocinadores britânicos, afirma fonte
    Tags:
    Rossiya Segodnya, Sputnik
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar