19:48 10 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    302
    Nos siga no

    O fundador do WikiLeaks, Julian Assange, se apresentou a uma corte na capital do Reino Unido, Londres, para início das audiências sobre sua extradição aos EUA.

    Julian Assange, vestindo um terno e camisa cinza, compareceu à audiência. Cumprindo as formalidades, o fundador disse seu nome completo, à pedido da juíza.

    A audiência começou com atraso de mais de uma hora. A juíza Vanessa Baraitser pediu aos advogados de Assange que explicassem o motivo do atraso.

    De acordo com a advogada de Assange, Gareth Peirce, o atraso se deu por causa de dificuldades na prisão de Belmarsh, onde seu cliente está cumprindo pena. Segundo a advogada, a defesa ainda enfrenta restrições de comunicação e troca de material com Assange devido às regras da prisão, dedicada à detenção de terroristas e indivíduos de alta periculosidade.

    "Eu não sei explicar concretamente qual é o problema, mas nós enfrentamos dificuldades em Belmarsh", acrescentou a advogada.

    Entrada da prisão de Belmarsh, prisão reservada à terroristas e prisioneiros de alta periculosidade, aonde está detido o ativista Julian Assange, em Londres
    © AP Photo / Anthony Devlin
    Entrada da prisão de Belmarsh, prisão reservada à terroristas e prisioneiros de alta periculosidade, aonde está detido o ativista Julian Assange, em Londres

    Durante a audiência, a juíza definiu que a próxima sessão deve ser realizada em 23 de janeiro. Na ocasião, Assange vai participar por videoconferência.

    "Sr. Assange, a próxima audiência será no dia 23 de janeiro, e o senhor deve comparecer por videoconferência", declarou a juíza.

    A organização das audiências de janeiro e fevereiro com o ativista e fundador do WikiLeaks foi definida pela juíza em dezembro. A audiência decisiva deve ocorrer no fim de fevereiro deste ano.

    Em 2010, Assange foi acusado de abuso sexual na Suécia. Temendo extradição aos EUA, o ativista recebeu asilo político na embaixada do Equador em Londres.

    Em abril de 2019, o Equador suspendeu o status do ativista, que foi preso pela Polícia britânica, que o acusa de não comparecer perante o juiz durante liberdade sob fiança.

    Julian Assange é preso após ter seus status de asilado político revogado pelo Equador, em abril de 2019.
    © Sputnik / Ruptly
    Julian Assange é preso após ter seus status de asilado político revogado pelo Equador, em abril de 2019

    Em maio de 2019, o governo dos EUA apresentou novas acusações contra Assange, incluindo a violação de Ato sobre Espionagem e vazamento de informações secretas. Assange pode enfrentar vários anos de prisão, caso seja extraditado para os Estados Unidos.

    Mais:

    'Assange tem sintomas de vítima de tortura', diz ex-diplomata britânico
    CIA tinha acesso a fichas de visitantes de Assange na Embaixada do Equador, diz reportagem
    Relator da ONU critica Reino Unido e EUA por 'torturarem' Assange e Manning
    Tags:
    WikiLeaks, Extradição, prisão de Julian Assange, Julian Assange, Reino Unido, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar