19:18 30 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    5462
    Nos siga no

    O próprio Parlamento ucraniano fez com que a Crimeia se reunificasse com a Rússia depois que tirou a língua russa de seu status regional em 2014, disse nesta quarta-feira um parlamentar do partido governista Servo do Povo, Aleksei Ustenko.

    Em 2012, a Ucrânia aprovou uma lei que concedia o russo e outras línguas minoritárias o status de idioma regional em partes do país, o que significa que os residentes locais podiam usá-los em escolas primárias, tribunais e outras instituições estatais.

    Após a mudança de poder em 2014, a legislatura do país repeliu a lei, provocando distúrbios no sudeste da Ucrânia, um território com uma população predominantemente de língua russa.

    Em 2018, o Tribunal Constitucional da Ucrânia decidiu que a lei de 2012 era inconstitucional. Em maio de 2019, o então presidente Pyotr Poroshenko assinou uma lei que torna o ucraniano o único idioma autorizado em educação, judiciário, assistência médica e todos os principais serviços estatais. A mudança completa para o ensino da língua ucraniana está prevista para 1º de setembro de 2020.

    Celebrações na Crimeia
    © Sputnik / Evgeny Biyatov
    Celebrações na Crimeia
    "Em 2014, a lei sobre o idioma [que privou o russo de status especial] foi aprovada. Depois disso, todas essas ações na Crimeia foram provocadas. Depois disso, a Federação da Rússia entrou na Crimeia. Essa foi uma das coisas que começou tudo isso", disse Ustenko em entrevista ao canal de TV ucraniano Nash.

    A Crimeia voltou a ser parte da Rússia na primavera de 2014, logo após a mudança de poder em Kiev, depois que mais de 97% dos eleitores da península apoiaram um referendo em favor da reunificação. A Ucrânia ainda considera a península sua parte, chamando-a de território ocupado temporariamente.

    Moscou, por sua vez, insiste em que os moradores da Crimeia decidiram voltar à Rússia através de um procedimento democrático - em um referendo realizado em conformidade com o direito internacional. Segundo o presidente russo Vladimir Putin, a questão do pertencimento territorial da península é "historicamente fechada".

    Mais:

    Autoridades dos EUA ponderam ataques à Crimeia e Extremo Oriente russo, segundo revista americana
    Drone dos EUA teria espionado sistemas S-400 na Crimeia?
    Construção de parte ferroviária da Ponte da Crimeia está pronta
    Tags:
    Pyotr Poroshenko, diplomacia, reunificação, referendo, Península da Crimeia, Crimeia, Vladimir Putin, Vladimir Zelensky, Ucrânia, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar