08:47 24 Janeiro 2020
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    150
    Nos siga no

    O Vaticano recebeu 1.000 queixas de abuso sexual em 2019, disse o chefe da Seção Disciplinar da Congregação para a Doutrina da Fé, John Joseph Kennedy, em entrevista ao jornal Washington Post.

    "Atualmente, estamos testemunhando um tsunami de casos, principalmente de países que nunca ouvimos antes", disse Kennedy na entrevista.

    A maioria dos relatos de abusos cometidos por clérigos vem dos Estados Unidos, Argentina, México, Chile, Itália e Polônia.

    Na última década, o número de casos relatados quadruplicou e hoje a Congregação para a Doutrina da Fé não tem pessoal suficiente para lidar com todas as informações que recebe.

    O chefe da Seção Disciplinar reconheceu que "se eu não fosse um clérigo e tivesse um filho abusado, provavelmente pararia de ir à missa".

    No entanto, "o Vaticano prometeu lutar contra os abusos e precisa de apenas tempo para estudar todos os casos".

    Em 17 de dezembro, o Vaticano aboliu o segredo pontifício em casos de abuso sexual de menores cometidos por clérigos e aumentou de 14 para 18 anos a idade sob a qual o clérigo incorre no crime de pedopornografia.

    Mais:

    Papa tem uma abordagem 'muito serena' com denúncias de abuso, diz secretário do Vaticano
    Vaticano abre investigação sobre diocese envolvida em denúncias de abuso nos EUA
    Ex-funcionário da Igreja diz que papa Francisco vai renunciar em 2020
    Tags:
    catolicismo, religião, abusos sexuais, abuso sexual, Vaticano
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar