04:56 23 Janeiro 2020
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    0 31
    Nos siga no

    O governo do Reino Unido garantirá legalmente a marcha final da União Europeia (UE) após a vitória eleitoral "sísmica" dos conservadores em 12 de dezembro, conforme proclamado pelo primeiro-ministro Boris Johnson na primeira reunião de seu novo gabinete.

    "Foi uma escolha sísmica, mas devemos reconhecer que as pessoas nos deram seu voto e precisamos recompensar sua confiança e trabalhar 24 horas por dia", declarou ele à equipe do governo.

    O governo retomará o processamento da lei do Brexit, que traduz no cânone inglês da retirada do país da EU, conforme anteriormente acordado com Bruxelas.

    Todos os candidatos conservadores juraram seu apoio à proposta legislativa de Johnson e a vitória de 365 dos 650 assentos em Westminster garante a ratificação antes de 31 de janeiro, quando expira a última extensão do Brexit.

    O texto será alterado para garantir ainda mais a retirada permanente do bloco comunitário após um ano de transição, ou seja, em dezembro de 2020.

    A maioria dos especialistas acredita que é um período muito limitado para fechar o acordo sobre o futuro relacionamento entre Londres e Bruxelas, reabrindo o fantasma de um "não acordo" (sem um acordo bilateral).

    "As datas de vencimento concentram as mentes", avaliou Michael Gove, ministro responsável até agora pelos preparativos para um Brexit abrupto.
    © Sputnik / Justin Griffiths-William
    Manifestante expressa apoio ao Brexit nas ruas de Londres.

    Gove era ambivalente quanto à possibilidade de romper com a UE durante a segunda fase das negociações e ir para a órbita dos regulamentos da Organização Mundial do Comércio (OMC).

    "É uma maneira de garantir que honremos o resultado [das leis]", comentou ele à BBC sobre a emenda legislativa.

    Johnson aparecerá mais tarde na Câmara dos Comuns na sessão inaugural da legislatura, na qual os conservadores têm uma maioria de 80 deputados.

    O banco oposto continuará ocupado pelo líder trabalhista Jeremy Corbyn, que se recusa a jogar a toalha até a eleição de seu sucessor no mês de março.

    Corbyn pediu um "momento de reflexão" sobre as causas da pior derrota em sete décadas, o que deixou o Partido Trabalhista com 203 deputados na Câmara dos Comuns, 59 a menos do que nas eleições anteriores de 2017.

    Mais:

    Acordo de Johnson com a UE pode levar Reino Unido a um Brexit 'bastante difícil'
    Brexit no limbo: Parlamento rejeita cronograma proposto por Johnson
    União Europeia aprova adiamento do Brexit até 31 de janeiro de 2020
    Tags:
    OMC, União Europeia, nacionalismo, Europa, Brexit, Jeremy Corbyn, Boris Johnson, Inglaterra, Grã-Bretanha, Reino Unido
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar