07:44 23 Janeiro 2020
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    10515
    Nos siga no

    O presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, disse que os líderes da União Europeia decidiram em cúpula realizada nesta quinta-feira (12) prolongar por mais seis meses as sanções econômicas contra a Rússia.

    "Em relação à Rússia e à Ucrânia, escutamos o informe da França e Alemanha após a cúpula do 'formato da Normandia' em Paris. Tivemos a oportunidade de trocar opiniões sobre a situação na região e tomar a decisão de prorrogar as sanções por seis meses", afirmou Michel e coletiva de imprensa. 

    A primeira cúpula do "formato da Normandia", com a participação dos presidentes da Rússia, Ucrânia e França, bem como da chanceler alemã, aconteceu na segunda-feira (9) em Paris, com objetivo de discutir a situação no leste da Ucrânia e estabilizar a região até o fim deste ano. 

    'Acordos de Minsk continuam sendo importantes'

    Na coletiva após a cúpula da União Europeia, em Bruxelas, Michel disse que o bloco "considera a implementação dos Acordos de Minsk" um "ponto extremamente importante"

    Em junho, o Conselho prolongou as sanções econômicas contra setores específicos da economia russa até 31 de janeiro de 2020. 

    As relações de Moscou e do Ocidente pioraram devido à situação na Ucrânia e a adesão da Crimeia à Rússia após o referendo realizado em março de 2014, no qual 96% dos votantes defenderam essa opção. 

    Nesse mesmo ano, Estados Unidos e a União Europeia aprovaram vários pacotes de sanções contra a Rússia. 

    Moscou, que respondeu às medidas com um embargo alimentar, diz que não é parte do conflito na Ucrânia.

    Mais:

    'De pernas para o ar': especialista explica por que Rússia é chamada de ameaça para OTAN
    Putin e Zelensky se reúnem em Paris para acabar com a guerra na Ucrânia
    EUA querem classificar Rússia como 'Estado patrocinador do terrorismo'
    Tags:
    economia, Quarteto da Normandia, cúpula, Ucrânia, UE, Europa, sanções, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar