06:33 21 Janeiro 2020
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    715
    Nos siga no

    O líder francês teria referido ao presidente dos EUA que mudou de opinião quanto ao seu pensamento sobre a fragilidade da aliança.

    O presidente francês Emmanuel Macron retirou suas declarações sobre a "morte cerebral" da OTAN, disse o líder norte-americano Donald Trump. Segundo Macron, a aliança detém agora a posição mais forte da história.

    "Ontem tive conversas com o presidente francês. Ele retirou suas declarações sobre a OTAN. Ele vê o que aconteceu e está acontecendo, como os países estão ficando mais fortes", disse o presidente dos EUA à margem da cúpula da aliança.

    Macron afirmou no início de novembro que a OTAN estaria em "morte cerebral", e apelou à Europa para que comece a pensar em si própria como uma força geopolítica independente.

    O presidente francês mais tarde declarou que não tinha vergonha das suas declarações sobre a OTAN, uma vez que permitiram lançar importantes debates sobre a situação no bloco.

    Macron afirmou no início de novembro que a OTAN estaria em "morte cerebral", e apelou à Europa para que comece a pensar em si própria como uma força geopolítica independente.

    O presidente francês declarou depois na cúpula da OTAN que não tinha vergonha das suas declarações sobre a Aliança Atlântica, uma vez que permitiram lançar importantes debates sobre a situação no bloco.

    Nessa mesma cúpula, Emmanuel Macron esteve envolvido em um episódio viralizado de desdém contra Trump, que criticou sua afirmação sobre a aliança.

    Macron também disse que não era "normal" a Turquia, membro da OTAN, aceitar mísseis de defesa antiaérea russos S-400, e acusou o país de colaborar com o Daesh (organização terrorista proibida na Rússia e em vários outros países).

    Mais:

    Deputado alemão: OTAN deve responder à compra dos S-400 colocando sistemas dos EUA na Turquia
    Até mesmo durante Guerra Fria Rússia não era 'ameaça' para OTAN, segundo especialista
    Tags:
    EUA, Donald Trump, OTAN, Emmanuel Macron
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar