07:19 12 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Jeremy Corbyn, leader of Britain's opposition Labour Party, waves at a campaign event in Reading, May 31, 2017.

    Esquerda britânica abre campanha com ataques à elite bilionária do Reino Unido

    © REUTERS / Peter Nicholls
    Europa
    URL curta
    280
    Nos siga no

    Nesta quinta-feira (31), o líder do partido trabalhista britânico, Jeremy Corbyn, atacou a elite financeira do Reino Unido em seu discurso de inauguração de campanha, realizado no sul de Londres.

    O discurso foi o primeiro passo oficial de Corbyn na campanha para as eleições legislativas do dia 12 de dezembro.

    "É a oportunidade única em uma geração de transformar nosso país, enfrentar os interesses adquiridos que impedem as pessoas de avançar e garantir que nenhuma comunidade seja relegada", disse ele em Battersea, ao sul do rio Tamisa.

    Corbyn mencionou a sonegação de impostos como o principal medo dos bilionários que, alertou, "lutarão mais e de forma mais suja do que nunca".

    Com o slogan do partido trabalhista, "Para muitos, não para poucos", impresso no fundo do palco, o líder da esquerda britânica identificou, com nome e sobrenome, "fraudadores de impostos", "proprietários não confiáveis", "maus chefes" e "poluidores".

    Jeremy Corbyn, the leader of Britain's opposition Labour party, makes a speech as his party restarts its election campaign after the cross party suspension that followed the Manchester Arena attack, in London, May 26, 2017.
    © REUTERS / Peter Nicholls
    Jeremy Corbyn, the leader of Britain's opposition Labour party, makes a speech as his party restarts its election campaign after the cross party suspension that followed the Manchester Arena attack, in London, May 26, 2017.

    Entre eles, mencionou o duque de Westminster, o empresário Mike Ashley, o magnata da comunicação Rupert Murdoch e Sir Jim Ratcliffe, presidente do grupo químico Ineos.

    Corbyn atribuiu responsabilidade ao primeiro-ministro, Boris Johnson, por mais um adiamento do Brexit, que tinha data limite marcada para este 31 de outubro e foi adiado para 31 de janeiro de 2020.

    “Boris Johnson prometeu que deixaríamos a União Europeia hoje, ele disse que preferia morrer na sarjeta a aceitar outro adiamento; ele falhou e o fracasso é apenas seu”, afirmou.

    O político britânico respondeu àqueles que questionavam sua prontidão para continuar liderando a batalha e observou que gosta de fazer seu "trabalho, conversar com pessoas, sair em campanha" e que chefiará "orgulhosamente um governo trabalhista".

    As eleições legislativas no Reino Unido ocorrerão em 12 de dezembro e decorrem de uma tentativa de Boris Johnson de obter uma maioria parlamentar com o objetivo de aprovar o Brexit na próxima data.

    Mais:

    'Racista e misógino': Jeremy Corbyn recusa convite para jantar com Trump
    Pompeo promete que EUA trabalharão contra a eleiçãr de Corbyn no Reino Unido
    Premiê britânico confirma que pedirá prorrogação do Brexit
    União Europeia aprova adiamento do Brexit até 31 de janeiro de 2020
    Tags:
    Brexit, Reino Unido, Londres, Jeremy Corbyn
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar