23:01 13 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Boris Johnson em Moscou.

    Acordo de Johnson com a UE pode levar Reino Unido a um Brexit 'bastante difícil'

    © Sputnik / Aleksei Filipov
    Europa
    URL curta
    321
    Nos siga no

    A Grã-Bretanha estará a caminho de laços econômicos mais distantes com a União Europeia (UE), tornando o país mais pobre, se o primeiro-ministro Boris Johnson ganhar apoio parlamentar para o acordo do Brexit que ele firmou com Bruxelas nesta quinta-feira.

    Comparado com o acordo que sua antecessora, Theresa May, alcançou no ano passado - que o Parlamento rejeitou três vezes -, o acordo de Johnson visa menos alinhamento regulatório à UE e maiores barreiras comerciais entre a Grã-Bretanha e seu maior parceiro comercial.

    Johnson agora enfrenta uma luta para convencer o Parlamento, no qual o seu Partido Conservador não possui maioria, para aprovar o acordo em uma votação que deve ocorrer neste sábado.

    "Mesmo que Boris Johnson consiga fechar o acordo, a celebração dos investidores poderá em breve ser prejudicada pelo reconhecimento de que este é um Brexit bastante difícil", analisou Paul O'Connor, gerente de fundos da Janus Henderson.

    O Ministério das Finanças da Grã-Bretanha e quase todos os economistas externos previram que o aumento das barreiras comerciais fará com que a economia britânica cresça mais lentamente do que se ficasse na UE, e os danos aumentam à medida que as barreiras comerciais aumentam.

    Com base no que se sabia dos planos de Johnson na semana passada, o Reino Unido em uma Europa em mudança estimou que eles tornariam os britânicos mais de 6% mais pobres per capita do que permanecer na UE - o equivalente a 2.000 libras (US$ 2.570) por ano em um prazo médio.

    © Sputnik / Justin Griffiths-William
    Manifestante expressa apoio ao Brexit nas ruas de Londres.

    O acordo de May reduziria a renda em pouco menos de 5% por pessoa, enquanto o chamado Brexit sem acordo - que deixaria o Reino Unido sendo negociado exclusivamente nos termos da Organização Mundial do Comércio (OMC) - reduziria a renda em pouco mais de 8%.

    "Isso é mais prejudicial do que o Brexit de Theresa May em termos de impacto econômico", explicou Anand Menon, Reino Unido, em um diretor da Change Europe.

    Menon disse que não acha que essas estimativas precisem ser alteradas significativamente, com base no acordo final alcançado nesta quinta-feira. Ele esperava que Johnson recuasse contra os requisitos de "igualdade de condições" no alinhamento regulatório que a UE quer ser uma condição para um relacionamento comercial próximo e futuro.

    Em contrapartida, o Partido Trabalhista da oposição afirmou que buscará uma relação comercial mais estreita, com mais alinhamento com as regras da UE sobre meio ambiente e proteção dos trabalhadores, se estiver encarregado das negociações depois que a Grã-Bretanha deixar a UE.

    Se a Grã-Bretanha deixar a UE em 31 de outubro, conforme programado, o acordo de Johnson garantirá um período de transição que durará até pelo menos o final de 2020, durante o qual não haverá grandes mudanças econômicas.

    Esse período pode ser prorrogado até o final de 2022, enquanto a Grã-Bretanha e a UE negociam um novo acordo comercial com menos regras compartilhadas e novas restrições ao comércio transfronteiriço de bens e serviços.

    Mercados financeiros

    Os mercados financeiros reagiram positivamente ao acordo, uma vez que reduz o risco de um Brexit sem acordo.

    Mas Dean Turner, economista da UBS Wealth Management, disse que, embora possa dar um breve recorte ao crescimento britânico, havia muita incerteza sobre o ambiente comercial de longo prazo para reviver investimentos moribundos nos negócios.

    "Eu ainda não tiraria as bandeiras", avaliou. "Acho que veremos um pequeno aumento na atividade, mas nada que seja significativo o suficiente para tirar o Reino Unido de uma fraca tendência de crescimento".

    O Centro de Reforma Europeia estimou que a economia da Grã-Bretanha já era quase 3% menor do que teria sido se tivesse votado para permanecer na UE no referendo de junho de 2016.

    Embora a maior parte do acordo Johnson tenha sido vista em grande parte a mesma que foi acordada entre a UE e maio, analistas observaram que as aspirações de maio por um acordo comercial próximo e futuro foram atenuadas na declaração política que o acompanhava.

    Enquanto a versão de maio aspirava "o mais próximo possível" a uma futura relação comercial com a UE, essa linha foi substituída por meramente "ambiciosa" no texto revisado.

    Cédulas de euro, libra e dólar
    Cédulas de euro, libra e dólar

    "O acordo de Theresa May terminaria em um acordo mais suave do que apenas um acordo de livre comércio", destacou Alex Stojanovic, do Institute for Government.

    "Este governo parece querer um [acordo de livre comércio] e isso é muito diferente: isso significa que ainda haveria barreiras regulatórias, especialmente em produtos entre a Grã-Bretanha e a UE", prosseguiu.

    Rachel Kent, advogada de serviços financeiros da Hogan Lovells, disse que a declaração política original já vinculava o alinhamento regulatório ao acesso ao mercado em um futuro acordo comercial do Reino Unido com a UE, o maior cliente de serviços financeiros da Grã-Bretanha.

    Mas a revisão tornou isso mais explícito, disse ela. Os reguladores britânicos afirmaram que não querem se tornar "tomadores de decisão" em vez de tomadores de decisão após o Brexit, aumentando a chance de divergência e barreiras entre os mercados de serviços financeiros britânicos e da UE.

    Stojanovic acrescentou que a nova liberdade da Grã-Bretanha de assinar seus próprios acordos comerciais bilaterais em todo o mundo provavelmente não compensará a atividade econômica perdida.

    "Se o Reino Unido fez um acordo com todo mundo [...] beneficiaria em 15 anos o PIB do Reino Unido em 0,2%. A maioria dos acordos de livre comércio não beneficia muito o PIB", concluiu.

    Mais:

    'Algumas pessoas nunca vão me perdoar', diz ex-premiê Cameron sobre o Brexit
    Brexit: premiê britânico é acusado de 'pouco sério' pela União Europeia
    'Não houve progresso', diz presidente do Parlamento Europeu após reunião com Johnson por Brexit
    Tags:
    Brexit, tarifas, Theresa May, comércio, economia, relações bilaterais, diplomacia, Boris Johnson, Europa, União Europeia, Grã-Bretanha, Reino Unido
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar