14:17 20 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Manifestantes contra o Brexit ao lado do prédio do Parlamento em Londres

    Brexit segue indefinido e possível acordo está em xeque

    © Sputnik / Justin Griffiths-Williams
    Europa
    URL curta
    230
    Nos siga no

    Um possível acordo para atenuar a saída do Reino Unido da União Europeia está incerto já que o bloco europeu quer mais concessões do primeiro-ministro Boris Johnson.

    Enquanto o calendário para a saída se aproxima, Johnson e Bruxelas enfrentam uma semana decisiva que pode determinar se o divórcio será ordenado, sem nenhum tipo de acordo ou adiado novamente. 

    O premiê britânico diz buscar um acerto na cúpula da União Europeia de quinta-feira e sexta-feira para conseguir uma saída ordenada em 31 de outubro. Caso não haja acerto, ele afirma que irá liderar o Reino Unido em uma saída sem acordo, ainda que o Parlamento o tenha proibido de fazer isso.

    Todavia, a presidência do bloco europeu, ocupada no momento pela Finlândia, diz que é necessário mais tempo e que as negociações poderiam continuar mesmo após a cúpula desta semana. 

    Após mais de três anos de crise envolvendo o Brexit, que desgastou dois primeiros-ministros britânicos, Johnson terá que ratificar qualquer acordo de última hora no Parlamento, que realizará sua primeira sessão em um sábado desde a Guerra das Malvinas, em 1982.

    O principal ponto de discórdia continua sendo a fronteira entre a Irlanda, membro da União Europeia, e a província britânica da Irlanda do Norte.

    Mais:

    'Algumas pessoas nunca vão me perdoar', diz ex-premiê Cameron sobre o Brexit
    Brexit à moda brasileira? Especialistas analisam possível saída do Brasil do Mercosul
    Brexit: premiê britânico é acusado de 'pouco sério' pela União Europeia
    Ministro britânico anuncia data do Brexit
    'Não houve progresso', diz presidente do Parlamento Europeu após reunião com Johnson por Brexit
    Tags:
    União Europeia, Reino Unido, Boris Johnson, Brexit
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar