07:44 12 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Soldado alemão com um fuzil de assalto Heckler & Koch G36 em um campo de treinamento militar perto de Weisskeissel, Alemanha (arquivo)

    Alemanha suspende fornecimento de armas à Turquia por operação turca na Síria

    © AP Photo / dpa, Arno Burgi
    Europa
    URL curta
    341
    Nos siga no

    O governo da Alemanha decidiu suspender as exportações de armas para a Turquia em resposta à nova operação militar turca lançada nos últimos dias na Síria, afirmou o ministro das Relações Exteriores alemão.

    "Em razão da operação militar turca no noroeste da Síria, o governo federal não autorizará novos fornecimentos da produção da indústria militar que poderiam ser utilizados pela Turquia na Síria", disse Heiko Maas em entrevista ao jornal Bild am Sonntag. 

    ​Na última quinta-feira, Maas instou Ancara a reconsiderar sua ofensiva, advertindo para o risco de uma nova desestabilização na região e para um possível fortalecimento do autoproclamado Estado Islâmico, o Daesh (grupo terrorista proibido na Rússia e em diversos outros países).

    O ministro destacou que, desde 2016, o governo alemão tem mantido uma política dura em relação às exportações de armas para a Turquia, e, em particular, depois da operação turca Ramo de Oliveira, contra combatentes curdos na cidade síria de Afrin, no início do ano passado. No entanto, essa é a primeira vez que Berlim decide impor um embargo sobre essas vendas. 

    ​A Turquia lançou no último dia 9 a operação Fonte de Paz no noroeste da Síria, com o objetivo de afastar milícias da fronteira turca e estabelecer uma zona segura para acomodar milhares de refugiados sírios que ainda se encontram em território turco.

    A ação visa principalmente as formações armadas lideradas pelos curdos, como as Forças Democráticas da Síria (FDS) e as Unidades de Proteção Popular (YPG), que dominam a região mas são consideradas organizações inimigas por Ancara, por suposta ligação com o Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), grupo considerado terrorista na Turquia.

    Segundo autoridades turcas, centenas de militantes já teriam sido neutralizados nos primeiros dias de operação.

    Em meio a essas tensões, o governo sírio, que não reconhece a autonomia curda a leste do rio Eufrates, vem protestando contra a ofensiva estrangeira, acusando a Turquia de violar a integridade territorial do país e o direito internacional. 

    ​Já os Estados Unidos, principal aliado das milícias curdas na Síria, se recusaram a participar dessa nova onda de hostilidades e retiraram suas forças da zona de conflito, manobra vista por muitos críticos como uma traição aos curdos.

    Mais:

    'Eles não nos ajudaram durante a 2ª Guerra Mundial', declara Trump após abandonar curdos
    Ministro da Defesa da Turquia declara neutralização de 342 'terroristas' na Síria
    Trump aponta '3 opções' dos EUA para responder à ação da Turquia na Síria
    Secretário de Defesa dos EUA alerta Turquia sobre 'sérias consequências' pela operação na Síria
    Como Síria poderia retaliar perante a ofensiva da Turquia? Especialistas explicam
    Tags:
    Ramo de Oliveira, YPG, PKK, curdos, Estados Unidos, EUA, Damasco, Ancara, Berlim, Síria, Turquia, Alemanha
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar