17:52 13 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Vladimir Zelensky, presidente da Ucrânia, durante coletiva de imprensa em Kiev

    'Não houve chantagem' de Trump, afirma presidente ucraniano em coletiva de 14 horas

    © AP Photo / Efrem Lukatsky
    Europa
    URL curta
    252
    Nos siga no

    O presidente da Ucrânia, Vladimir Zelensky, disse nesta quinta-feira (10) que não foi "chantageado" por Donald Trump, que seu país era "independente" e os EUA têm "direito" de pedir para líderes estrangeiros investigarem casos de corrupção. 

    O chefe de Estado ucraniano participou hoje de uma longa coletiva de imprensa em Kiev, que durou cerca de 14 horas e reuniu aproximadamente 300 jornalistas. Zelensky se referia a uma ligação telefônica entre ele e o presidente americano feita em 25 de julho. 

    Na conversa, Trump pediu ajuda ao ucraniano para investigar o pré-candidato democrata às eleições presidenciais Joe Biden e seu filho Hunter. O diálogo, revelado recentemente, motivou a abertura de um pedido de impeachment contra o republicano na Câmara dos Representantes. 

    Durante a coletiva, Zelensky negou as insinuações de que Trump teria o pressionado para ajudá-lo na investigação em troca de apoio militar americano para a Ucrânia, que seria usado no conflito no leste do país. 

    Segundo os democratas, o presidente estaria bloqueando a ajuda para usá-la como barganha em negociações de seu próprio interesse, o que constituiria um crime. Seu objetivo seria prejudicar um rival nas eleições presidenciais. 

    No entanto, Zelensky  garantiu que só ficou sabendo do embargo de milhões de dólares em ajuda militar destinada à Ucrânia após o telefonema. Após o caso vir à tona, a Casa Branca divulgou a íntegra da ligação. 

    'Não somos servos'

    "Não houve chantagem. Não somos servos. Somos um país independente", afirmou o mandatário, segundo publicado pela agência AP. 

    Trump usou o Twitter para dizer que a declaração do líder ucraniano deveria encerrar o processo de impeachment. "O presidente da Ucrânia declarou novamente, na linguagem mais firme, que o presidente Trump não o pressionou e não fez absolutamente nada de errado. Ele usou a linguagem mais firme possível. Isso deveria encerrar o golpe democrata", disse o republicano. 

    O líder ucraniano afirmou ainda que não queria "se envolver" na questão do impeachment, pois entendia que suas "palavras poderiam impactar as eleições do povo americano". Apesar disso, opinou que os Estados Unidos tinham "todo o direito" de pedir a líderes de outros países para investigar casos de corrupção.

    Mais:

    Presidente ucraniano prepara visita aos EUA apesar de processo de impeachment
    Pompeo bate de frente com Congresso dos EUA em caso Trump-Ucrânia
    Ucrânia é 'grande, amplo e belo muro' entre Rússia e Europa, diz Trump
    Casa Branca diz que administração Trump não participará do 'teatro do impeachment dos democratas'
    Presidente ucraniano exclui uso da força militar para recuperar Donbass e Crimeia
    Tags:
    republicanos, Democratas, Joe Biden, impeachment, Donald Trump, Vladimir Zelensky, EUA, Ucrânia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar