07:04 14 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    A chanceler da Alemanha, Angela Merkel.

    Guerra comercial entre China e EUA traz 'instabilidade' para economia global, diz Merkel

    © Sputnik / Sergei Guneev
    Europa
    URL curta
    230
    Nos siga no

    A chanceler alemã, Angela Merkel, responsabilizou o Brexit e a escalada da guerra comercial entre China e Estados Unidos pela desaceleração do crescimento econômico global e da Alemanha.

    A chanceler fez o comentário nesta terça-feira (1) após agenda com líderes de instituições econômicas internacionais. O PIB da Alemanha recuou 0,1% no segundo trimestre de 2019, na comparação com o mesmo período de 2018. 

    "Chegamos à conclusão de que a economia global está em uma situação difícil. Todas as organizações preveem um crescimento mais lento. Vemos isso na Alemanha e em nossas previsões de desenvolvimento", afirmou Merkel. 

    A chanceler alemã disse que "a instabilidade existente criada pelo conflito comercial EUA-China" prejudica a economia global, enquanto a incerteza sobre os termos da saída do Reino Unido da União Europeia afeta toda a Europa.

    Pequim e Washington estão em guerra comercial desde junho de 2018, quando o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, resolveu impor um aumento nas taxas de importação em produtos da China. Pequim revidou e foi criada uma escalada de tensão comercial.

    o Brexit foi adiado e ainda não está claro quais serão os termos da saída do Reino Unido da União Europeia. O primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, defende a saída da União Europeia em 31 de outubro, com ou sem acordo com o bloco europeu.

    Mais:

    Bolsonaro atualiza Merkel sobre incêndios na Amazônia
    'Não é atitude de presidente': Macron, Merkel e Piñera criticam Bolsonaro em VÍDEO
    Nova modificação de bombardeiro chinês é revelada (VÍDEO)
    Merkel: EUA não vão mais defender a Europa de maneira automática
    Tags:
    China, Estados Unidos, economia, Alemanha, Angela Merkel
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar