22:38 15 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Uma suástica riscada

    Ex-soldado de Hitler é preso por dizer que vítimas dos nazistas eram culpadas pelas próprias mortes

    © AP Photo / Markus Schreiber
    Europa
    URL curta
    6122
    Nos siga no

    Um ex-oficial da SS foi preso e acusado de incitar o ódio depois de dizer aos entrevistadores de TV que as vítimas de um massacre nazista na Segunda Guerra Mundial eram responsáveis por suas próprias mortes. Ele também foi acusado de negar o Holocausto.

    Em uma entrevista para um programa de TV alemão no ano passado, o ex-oficial de 96 anos Karl Munter admitiu seu papel em um massacre na vila francesa de Ascq durante a segunda metade da Segunda Guerra Mundial.

    Vingando-se por atos de sabotagem da resistência francesa, a unidade de Munter da SS cercou 86 aldeões e matou-os. Algumas das vítimas não tinham mais do que 15 anos.

    O ex-oficial da SS defendeu os assassinatos na entrevista, sugerindo que os aldeões trouxeram seu destino para si mesmos.

    "Se eu prender homens, tenho responsabilidade por eles, e se eles fugirem, eu tenho o direito de matá-los", disse Munter na controversa transmissão, embora ele próprio negue ter atirado em alguém e insista que ele só ajudou as vítimas a ficarem sob custódia.

    "Por que eu deveria me arrepender?", alegou. "Eu não disparei um tiro".

    Vítimas do Holocausto marcham por uma das estreitas veredas do campo de concentração de Auschwitz (foto de arquivo)
    © AFP 2019 / Yad Vashem Archives
    Vítimas do Holocausto marcham por uma das estreitas veredas do campo de concentração de Auschwitz (foto de arquivo)

    Munter também afirmou aos entrevistadores que "não havia milhões de judeus na época" do Holocausto, argumentando que "isso já foi refutado", pelo qual ele enfrenta uma acusação adicional. A negação do Holocausto é um crime na Alemanha.

    Os promotores disseram na quarta-feira que acusaram o ex-oficial de incitação e de depreciar a memória dos mortos, que têm sentenças de prisão de cinco e dois anos, respectivamente, informou a agência de notícias AFP.

    A defesa de Munter argumenta que ele não sabia que estava sendo gravado, e que o veterinário da Segunda Guerra Mundial não vê suas declarações como incitação ao ódio.

    Em 1949, Munter foi condenado à morte à revelia por um tribunal francês por sua participação nas execuções da Ascq, mas conseguiu evitar a punição até ser perdoado seis anos depois, como parte de um acordo franco-alemão de reconciliação pós-guerra.

    Os promotores alemães consideraram reabrir seu caso, mas desistiram da investigação no ano passado devido a preocupações de "dupla punição", ou acusar alguém pelo mesmo crime duas vezes.

    Mais:

    Homenagem do Exército brasileiro a oficial condecorado por Hitler é afronta a FEB, diz especialista
    Liberdade de expressão? Sacerdote sueco é exonerado por comparar Hitler a Jesus
    Caçada a Adolf Hitler: como tentaram aniquilar o Fuhrer
    Tags:
    judeus, crimes de guerra, Segunda Guerra Mundial, Adolf Hitler, SS, Holocausto, nazista, França, Alemanha
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar