03:33 06 Julho 2020
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    260
    Nos siga no

    Pesquisadores noruegueses teriam registrado um aumento do nível de radiação no submarino soviético afundado Komsomolets que ultrapassa 100.000 vezes o normal.

    De acordo com a emissora de televisão nacional NRK, entre as três amostras recolhidas, as duas primeiras não registaram vazamento, mas a terceira mostrou um nível que supera muito o nível normal da água do mar.

    Amostras foram tiradas do tubo de ventilação. A pesquisadora Hilde Elise Heldal da Universidade de Noruega de Pesquisas da Marinha notou que estes dados são preliminares. Segundo ela, o vazamento não representa o perigo para a pesca e para cientistas que coligem amostras.

    Os pesquisadores sublinham que o tubo de ventilação está instalado perto do reator nuclear do Komsomolets. O nível de radiação foi maior do que nas amostras do ano de 2007 recolhidas por cientistas russos. Entre as causas da emissão de partículas radioativas podem estar as correntes oceânicas.

    O controle do submarino foi iniciado no dia 6 de julho e é realizado por uma equipe de pesquisadores da Rússia e da Noruega no navio GO Sars. Os cientistas analisam vazamentos e tomam amostras de água. As provas anteriores mostraram que o submarino está gravemente danificado e confirmou o fato de haver emissões.

    Para recolher dados a uma profundidade tão grande, 1.700 metros, os pesquisadores usam o minissubmarino norueguês Ægir 6000, controlado remotamente, que também tira fotos do lugar de pesquisas, uma delas foi divulgada pela Direção para Proteção de Radiação e Segurança Nuclear (DAS).

    ​A Noruega realiza o controle de radioatividade no local a cada ano desde 1990.

    "É importante que o controle continue, desta maneira nós atualizamos os dados sobre a poluição nesta área em torno do submarino. A vigilância ajuda a garantir a confiança dos consumidores na indústria de pesca da Noruega", explica Hilde Elise Heldal.

    O submarino nuclear afundou no mar da Noruega em 1989 por causa de um incêndio a bordo. Em resultado, morreram 42 marinheiros, de um total de 69, em um dos mais trágicos acidentes na história da Marinha Soviética. O casco do submarino está a uma profundidade de 1.700 metros.

    Mais:

    Após 50 anos, chefe da Apollo revela 'segredo' por trás da missão da NASA à Lua
    Mídia alemã caracteriza novíssimo caça russo Su-57 como 'supervantajoso'
    Por que aviões da OTAN reforçam voos de reconhecimento perto das fronteiras russas?
    Tags:
    radiação, submarino, Noruega
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar