17:51 15 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    O presidente francês Emmanuel Macron fala ao Parlamento Europeu, em Estrasburgo, na França, em 17 de Abril de de 2018.

    Sob protestos de fazendeiros franceses, Macron defende acordo com o Mercosul

    © AP Photo / Jean Francois Badias
    Europa
    URL curta
    522
    Nos siga no

    O presidente da França, Emmanuel Macron, defendeu um enorme acordo comercial firmado entre a União Europeia (UE) e os quatro países sul-americanos do Mercosul, e advertiu contra o "neoprotecionismo", com agricultores e ambientalistas aumentando sua resistência ao acordo.

    O acerto anunciado sexta-feira pela UE e Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai é o maior já atingido pela União Europeia. Ele abrange mercados que totalizam aproximadamente 780 milhões de consumidores, representando um quarto do PIB global.

    Falando em Bruxelas na noite de terça-feira, Macron defendeu o acordo, apesar de uma porta-voz do governo ter dito antes que a França ainda não está apressada em ratificar o acordo comercial. Ele advertiu contra o que ele chamou de atitudes "neoprotecionistas", que recusariam a reciprocidade e a troca.

    "Não somos protecionistas", afirmou quando questionado sobre o assunto. "Aqueles que dizem que qualquer acordo comercial é ruim, dizem-me em tais casos como eles se vestem, comem, se movem", prosseguiu, acrescentando: "Um acordo comercial não é ruim em si mesmo".

    Macron complementou que medidas foram tomadas pelo lado europeu para proteger, por meio de cotas, setores sensíveis como carne bovina e açúcar.

    Reações diversas

    Os países da UE e do Mercosul elogiaram o acordo, que estava há 20 anos em construção, como histórico.

    O presidente da Comissão Européia, Jean-Claude Juncker, avaliou que é um endosso empolgante do "comércio baseado em regras" em um momento de crescente protecionismo nos EUA, que está envolvido em uma guerra comercial com a China e disputas com a UE.

    Mas o caminho para a ratificação por todos os 28 membros da UE poderia ser longo, dada a crescente hostilidade pública aos acordos de livre comércio, mesmo em países tradicionalmente favoráveis ao comércio.

    Na terça-feira à noite, os agricultores se reuniram em toda a França para protestar contra o acordo.

    A porta-voz do governo francês, Sibeth Ndiaye, disse antes que a França não se apressaria em ratificá-la antes de ver todos os detalhes.

    Citando o acordo comercial UE-Canadá de 2017, que a França ainda precisa ratificar, ela disse ao canal de notícias BFM: "Faremos o mesmo com os países do Mercosul [...] Vamos ver isso em detalhes e dependendo dos detalhes nós vai decidir. "A França ainda não está pronta para ratificar (o acordo)", ponderou ela.

    Produtores agrícolas franceses protestam contra a crise no setor agrícola, Paris, França, 2015 (foto de arquivo)
    © Sputnik / Galina Azule
    Produtores agrícolas franceses protestam contra a crise no setor agrícola, Paris, França, 2015 (foto de arquivo)

    A nota de cautela soada pela França na terça-feira "é o primeiro passo em uma espécie de batalha de vontades sobre a implementação concreta do acordo", disse o vice-presidente do grupo de pesquisa Institut des Ameriques em Paris, Carlos Quenan.

    O Instituto Bruegel, um think tank econômico com sede em Bruxelas, em um artigo de agosto de 2018, observou um medo crescente de abertura ao comércio internacional, acusado de aumentar a desigualdade. Ele citou uma pesquisa que mostra 75% dos franceses e 57% dos alemães, favorecendo uma maior proteção contra a concorrência estrangeira.

    "A questão não é se esse negócio é interessante apenas em termos comerciais. Devemos garantir que ele respeite as metas que estabelecemos em termos de práticas agrícolas sustentáveis e de combate às mudanças climáticas", disse à Agência AFP Sébastien Jean, diretor do Centro de Pesquisa Econômica do CEPII na França.

    Resistências

    As negociações haviam fracassado repetidamente ao longo dos anos devido à oposição de produtores europeus de carne bovina, especialmente pequenos agricultores, que temem ser prejudicados pelo preço das importações do Brasil, o maior exportador mundial de carne bovina.

    O sindicato Copa-Cogeca, que representa 23 milhões de agricultores em toda a UE, alertou que o acordo "entrará para a história como um momento muito sombrio". Segundo o acordo, os países do Mercosul poderão exportar 99.000 toneladas de carne bovina para a Europa, com tarifas de 7,5%, entre outras concessões.

    Embora as cotas sejam uma fração dos valores que o Mercosul buscava, o sindicato da Confederação Paysanne, da França, advertiu que a carne bovina alimentada com capim enfrentaria concorrência desleal "de animais abarrotados com soja transgênica e antibióticos".

    Os sul-americanos, por sua vez, eliminarão progressivamente os impostos sobre carros e peças de carros europeus, entre outros produtos, e abrirão seus setores públicos para empresas da UE.

    O acordo contém um "mecanismo de salvaguarda" que permite que ambas as partes restrinjam temporariamente as importações agrícolas em caso de dilúvio e também permite que as autoridades europeias suspendam a aprovação de produtos que percebem como representando um risco para a saúde.

    Mas também entrou em conflito com ativistas do clima, que acusam o Brasil de sacrificar suas florestas tropicais e povos indígenas ao poderoso setor agroalimentar do país. O ambientalista francês e parlamentar europeu Yannick Jadot disse que é "vergonhoso" que a Comissão Europeia tenha assinado um pacto com o líder brasileiro Jair Bolsonaro.

    Defensores do acordo argumentaram que isso dará à UE mais força na América do Sul, um continente onde há muito tempo se tornou um polo de domínio dos Estados Unidos.

    O governo da França deve recomendar a ratificação do acordo em uma reunião na quarta-feira.

    Mais:

    'Bolsonaro é otimista', acordo UE-Mercosul só deverá entrar em vigor em 5 ou 7 anos, diz expert
    Acordo entre UE e Mercosul causa 'medo' na indústria brasileira, revela especialista
    Macron alerta Bolsonaro: se Brasil deixar Acordo de Paris, não haverá acerto com Mercosul
    Tags:
    fazendeiros, agricultura, diplomacia, comércio, economia, acordo comercial, protecionismo, Jair Bolsonaro, Emmanuel Macron, União Europeia, Mercosul, Europa, França, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar