08:58 22 Julho 2019
Ouvir Rádio
    Vladimir Zelensky presta juramento ao assumir o cargo de presidente da Ucrânia, 20 de abril de 2019

    Ucrânia está pronta para negociar com a Rússia e cumprir os Acordos de Minsk

    © REUTERS/ Mykhailo Markiv/Serviço de imprensa da presidência da Ucrânia
    Europa
    URL curta
    7220

    O presidente da Ucrânia, Vladimir Zelensky, expressou a disponibilidade de seu país para negociar com a Rússia e cumprir os Acordos de Minsk.

    "Estamos prontos para negociar com a Rússia e cumprir os Acordos de Minsk", declarou ele ao final de sua reunião com o secretário-geral da OTAN, Jens Stoltenberg, em Bruxelas.

    No entanto, Zelensky apontou que a Ucrânia deve primeiro ser capaz de "defender-se e fortalecer-se nas esferas econômica, política e militar".

    Navios ucranianos Berdyansk, Nikopol e Yany Kapu no porto de Kerch
    © Sputnik / Assessoria de imprensa do Departamento de Fronteiras do Serviço Federal de Segurança da Rússia na Crimeia

    O presidente ucraniano lembrou que na próxima quarta-feira haverá uma reunião do Grupo de Contato para a crise ucraniana que contará com a presença do Chefe de Gabinete das Forças Armadas da Ucrânia, Ruslan Jomchak.

    "Vamos fazer várias propostas sobre o retorno (do cumprimento dos Acordo de) Minsk, iniciando por um cessar-fogo", afirmou, acrescentando que a troca de prisioneiros é um tema que também será abordado.

    Além disso, o presidente disse que o povo ucraniano precisa de um avanço em direção a "altos padrões europeus de qualidade de vida e segurança".

    "O objetivo de nossas reformas é melhorar a qualidade de vida dos ucranianos, erradicar a corrupção, modernizar o Estado, tudo isso só é possível se nossa segurança for garantida", afirmou.

    Zelensky foi eleito presidente da Ucrânia em 20 de maio.

    Desde abril de 2014, a Ucrânia realiza uma operação contra milícias na parte oriental de seu território – Donbass –, onde as regiões de Donetsk e Lugansk se autoproclamaram repúblicas independentes em resposta à alteração violenta do governo em Kiev em fevereiro do mesmo ano.

    Os Acordos de Minsk, assinado em setembro de 2014 e fevereiro 2015, lançou as bases para uma solução política para o conflito, mas não resultou até agora na cessação da violência, cujo saldo da ONU estimada em cerca de 13.000 mortos, além de mais de 1,3 milhão de pessoas deslocadas.

    O Grupo de Contato Trilateral (Rússia, Ucrânia e a Organização para a Segurança e Cooperação na Europa) tem no formato da Normandia (Alemanha, França, Rússia e Ucrânia) a principal plataforma de consulta que visa resolver o conflito entre o governo de milícias ucranianas e do Donbass.

    Mais:

    Presidente eleito da Ucrânia considera entrada na UE e na OTAN um caminho 'sem volta'
    Ucrânia admite que economia sofre perdas dramáticas graças à política antirrussa
    Zelensky assume cargo de presidente da Ucrânia
    Tags:
    OTAN, Vladimir Zelensky, Quarteto da Normandia, diplomacia, Donetsk, Lugansk, Donbass, Acordos de Minsk, Rússia, Ucrânia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar