18:06 21 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Presidente francês Emmanuel Macron, a chanceler alemã Angela Merkel, e o presidente dos EUA, Donald Trump, durante a cúpula do G20 em Hamburgo, em julho de 2017

    Merkel quer solução negociada para questão comercial com os EUA

    © REUTERS / John MacDougall
    Europa
    URL curta
    864
    Nos siga no

    A chanceler alemã, Angela Merkel, renovou nesta terça-feira (4) os pedidos de negociações comerciais com os Estados Unidos, depois de a França rejeitar uma ordem da União Europeia (UE) para tentar acabar com as tarifas.

    "É lamentável que a França tenha, no final, votado contra esta ordem, mas talvez os convençamos. Acho que devemos tentar acabar com as negociações comerciais com os EUA por meio de conversas e soluções razoáveis", disse Merkel, ressaltando que animosidade no setor pode causar abalos econômicos.

    Merkel, que discursou em uma conferência industrial em Berlim, disse que resolver as diferenças comerciais com Washington é de "importância existencial", vendo que os efeitos da guerra comercial dos EUA com a China já está chegando aos negócios alemães.

    Os Estados Unidos e a União Europeia concordaram no verão passado em negociar um possível levantamento de tarifas sobre produtos industriais não-automotivos, mas esse esforço foi reduzido pela França em abril, que quer que os produtos agrícolas sejam excluídos das negociações.

    Washington também tem impostos sobre as importações de metais da UE e ameaça a união com mais tarifas sobre os produtos, à medida que busca equilibrar o que entende como desequilíbrios comerciais.

    Mais:

    Brasil suspende exportação de carne bovina para China após caso de 'vaca louca'
    Retaliação bilionária da China sobre os EUA começa a surtir efeito
    Guerra comercial: China diz não ter medo do 'puro terrorismo econômico' dos EUA
    Brexit vai ser bom para o Reino Unido, diz Trump
    Tags:
    China, guerra comercial, Estados Unidos, França, União Europeia, Alemanha, Angela Merkel
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar