23:13 11 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Soldados da Bundeswehr, Forças Armadas da Alemanha (arquivo)

    Alemanha tem centenas de soldados 'inaptos para serviço' após volta do exterior, diz mídia

    © AP Photo / Matthias Schrader
    Europa
    URL curta
    323
    Nos siga no

    Os destacamentos estrangeiros aparentemente cobraram um pesado tributo ao Exército alemão, que já enfrenta escassez de pessoal quando centenas de soldados retornam das missões física ou mentalmente incapacitados, segundo a mídia local.

    Cerca de 800 soldados das Forças Armadas alemãs (Bundeswehr) foram considerados inaptos para novos serviços militares depois de terem sido enviados para o Afeganistão, Mali e alguns outros países, segundo o jornal alemão Bild, citando dados do Ministério da Defesa.

    Eles estão atualmente passando por um programa especial, que inclui tratamento médico e treinamento para ajudá-los a se reintegrarem na vida civil. Outros 1.400 militares já completaram sua reabilitação, de acordo com o ministério.

    No entanto, quase 280 militares retornaram de suas missões no exterior, sofrendo de vários distúrbios mentais no ano passado, relata o Bild. Desde 2015, 28 membros das Forças Armadas alemãs tiveram que ser aposentados precocemente devido a problemas de saúde mental.

    A Alemanha expandiu sua presença militar no exterior nos últimos anos. Atualmente, mais de 3.300 alemães estão servindo longe de casa. O contingente militar mais significativo ainda está estacionado no Afeganistão, onde a Alemanha tem 1.175 soldados. Berlim também enviou um total de 1.012 soldados para o Mali como parte de uma missão de treinamento da União Europeia (UE) e de uma operação de paz da ONU. Outros destinos estrangeiros incluem a Síria e o Iraque, onde os alemães atuam como parte da coalizão liderada pelos EUA e treinam as forças iraquianas.

    No entanto, esse "engajamento estrangeiro ativo" ainda pode se mostrar muito custoso para a Bundeswehr, que já se esforça para preencher suas fileiras. A escassez de tropas tornou-se tão pronunciada que Berlim até ponderou a ideia de trazer de volta o recrutamento obrigatório em 2018 — sete anos depois de ter sido abolido.

    No entanto, a Bundeswehr ainda planeja aumentar ainda mais seus números, que devem chegar a 203.000 até 2025. Para isso, as Forças Armadas alemãs precisariam de 21.000 novos recrutas, já que a Bundeswehr tinha cerca de 182.000 soldados uniformizados no início de 2019. E aparentemente está pronto para parar em nada para atingir esse objetivo.

    Uma das opções de substituição de pessoal que os militares alemães buscaram ativamente por algum tempo envolveu uma campanha de mídia social elaborada e intensiva destinada a adolescentes alemães, o que os levou a ingressar no Exército em números recordes.

    Outra ideia não convencional sugerida pelo chefe de defesa alemão, Erberhard Zorn, em dezembro de 2018 foi centrada em recrutar pessoas de outras nações da UE para as fileiras da Bundeswehr. As brilhantes perspectivas de reabastecimento rápido de tropas enfrentavam um obstáculo na forma da lei alemã, no entanto. O ato militar da Alemanha, promulgado em 1956, ainda requer recrutas para serem cidadãos alemães.

    Mais:

    Metade do Exército alemão reúne inaptos, desmotivados e estrangeiros, diz mídia
    Exército alemão estaria completamente preparado para combate dentro de 12 anos
    Mídia: 'fome' de profissionais faz Alemanha pensar em recrutar soldados estrangeiros
    Tags:
    serviço militar, segurança, defesa, tropas, militares, ONU, Bundeswehr, Erberhard Zorn, Mali, Afeganistão, Alemanha
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar