01:57 27 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    040
    Nos siga no

    A chanceler da Alemanha, Angela Merkel, e o presidente da Ucrânia, Vladimir Zelensky, discutiram a situação no leste ucraniano por telefone, enfatizando a necessidade da plena implementação dos Acordos de Minsk, disse o porta-voz alemão Steffen Seibert nesta sexta-feira.

    "Os lados em particular discutiram a cooperação bilateral entre a Alemanha e a Ucrânia, bem como o desenvolvimento político interno na Ucrânia, incluindo o estado das coisas no leste da Ucrânia", informou o funcionário do governo alemão.

    Seibert observou que Merkel e Zelensky enfatizaram a importância da implementação dos Acordos de Minsk e de maior cooperação.

    "Ambos enfatizaram a necessidade da plena implementação dos Acordos de Minsk e o interesse em continuar uma estreita cooperação dentro da estrutura do formato da Normandia", prosseguiu Seibert.

    O conflito no Donbass começou em 2014, quando Kiev lançou uma operação militar contra as autoproclamadas repúblicas de Donetsk e Luhansk após se recusarem a reconhecer o novo governo em Kiev que chegou ao poder depois do que consideraram um golpe.

    Em fevereiro de 2015, as partes em conflito assinaram os Acordos de Paz de Minsk, intermediados pelos líderes do quarteto Normandia — França, Alemanha, Rússia e Ucrânia — para acabar com as hostilidades na região, mas a situação permaneceu tensa, com ambas as partes acusando um ao outro de violações do cessar-fogo.

    Mais:

    Conselho de Segurança nega pedido russo de reunião sobre lei de língua oficial na Ucrânia
    Ucrânia admite que economia sofre perdas dramáticas graças à política antirrussa
    Presidente eleito da Ucrânia considera entrada na UE e na OTAN um caminho 'sem volta'
    Tags:
    Alemanha, Ucrânia, Donbass, Minsk, Donetsk, República Popular de Luhansk, Angela Merkel, Vladimir Zelensky, Steffen Seibert, Quarteto da Normandia, conflito ucraniano, diplomacia, guerra, Acordos de Minsk, acordo de paz
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar