09:31 19 Maio 2019
Ouvir Rádio
    Nord Stream 2, em construção no Mar Báltico.

    Senadores dos EUA defendem sanções para empresas envolvidas no Nord Stream 2

    Nord Stream 2
    Europa
    URL curta
    1009

    Um grupo de legisladores bipartidários dos EUA apresentou uma medida para impor sanções contra empresas que constroem o gasoduto Nord Stream 2 da Rússia no mar, informou o escritório do senador Tom Cotton em um comunicado à imprensa.

    "[Os legisladores] introduziram uma legislação que imporia sanções obrigatórias às empresas que construíssem o gasoduto Nord Stream 2 no mar", disse o comunicado na terça-feira.

    "Além disso, a legislação autoriza o presidente a sancionar empresas que oferecem seguros ou outros serviços financeiros a essas empresas de construção de dutos", acrescentou.

    Cotton afirmou no comunicado que a Rússia usará o gasoduto para dividir as nações do Leste Europeu de países da Europa Central e Ocidental. Ele alertou Berlim de que os Estados Unidos tomarão medidas contra a Alemanha se ela não se abster de investir no projeto.

    As autoridades russas disseram que a atitude dos EUA em relação ao projeto Nord Stream 2 poderia ser explicada pelo desejo de promover os interesses econômicos e energéticos de Washington na Europa e rejeitou a ideia de que o projeto poderia ser de natureza política.

    O Nord Stream 2 é uma joint venture entre a gigante de energia russa Gazprom e cinco empresas europeias. O gasoduto está projetado para fornecer anualmente 55 bilhões de metros cúbicos (1,9 trilhão de pés cúbicos) de gás natural russo aos países da União Europeia (UE).

    Mais:

    Especialistas: EUA usam duplos padrões quando criticam Nord Stream 2
    CEO de estatal austríaca de energia: Nord Stream 2 não dividirá a Europa
    Parlamento Europeu aprova resolução para interromper Nord Stream 2 e sancionar Rússia
    Tags:
    Gazprom, Alemanha, energia, sanções, gás, União Europeia, Rússia, Europa, Estados Unidos, Tom Cotton
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar