11:20 20 Julho 2019
Ouvir Rádio
    Fundador do WikiLeaks, Julian Assange (foto de arquivo)

    Procuradoria sueca reabre caso contra Assange

    © REUTERS / Peter Nicholls
    Europa
    URL curta
    404

    Procuradoria sueca anunciou que a investigação contra o fundador do WikiLeaks, Julian Assange, sobre acusação de estupro, foi reaberta.

    Eva-Marie Persson disse que tomou a decisão de reiniciar o caso e que existem razões de peso para suspeitar que Assange seja culpado.

    "A minha avaliação é que seja requerido um novo questionamento de Assange", disse Eva-Marie Persson, a vice-diretora da Procuradoria sueca.

    Durante uma coletiva de imprensa na segunda-feira (13), a procuradora sueca Eva-Marie Persson declarou que as circunstâncias agora permitem que Assange seja extraditado para a Suécia do Reino Unido, onde ele está preso.

    Segundo Persson, se for extraditado para a Suécia, Assange poderia ser enviado a um país terceiro sem consentimento do Reino Unido.

    Ela sublinhou que o caso foi anteriormente encerrado por ser impossível a aparição do fundador do WikiLeaks perante um tribunal.

    Julian Assange foi detido em Londres no dia 11 de abril, após a decisão do presidente do Equador, Lenín Moreno, de retirar o asilo do ativista na embaixada equatoriana.

    O ativista ficou famoso por publicar dados secretos sobre, por exemplo, as operações militares dos EUA no Afeganistão e no Iraque, bem como sobre as condições na prisão de Guantánamo.

    Em 2010, o fundador do WikiLeaks, procurado pelas autoridades americanas, viajou para a Suécia em busca de proteção, porém, acabou sendo acusado de estuprar duas mulheres. A acusação veio a ser arquivada pela Suécia, que revogou o mandado de captura. 

    Desde 2012, Assange estava vivendo na embaixada do Equador em Londres, após as autoridades equatorianas terem lhe concedido asilo.

    Mais:

    Assange pode revelar papel da Ucrânia no caso sobre conluio russo, diz advogado de Trump
    Tags:
    procuradoria, tribunal, Julian Assange, Reino Unido, Suécia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar