06:22 24 Maio 2019
Ouvir Rádio
    Bandeira de Kosovo

    Pressionados por Merkel e Macron, Sérvia e Kosovo retomam as negociações

    © Sputnik / Ilya Pitalev
    Europa
    URL curta
    2 0 0

    A Sérvia e o Kosovo concordaram em uma cúpula em Berlim a retomar as negociações, depois que os líderes da França e da Alemanha alertaram os amargos inimigos que a resolução de sua disputa era crucial para futuros laços com a União Europeia (UE).

    A chanceler alemã Angela Merkel e o presidente da França, Emmanuel Macron, organizaram o jantar de trabalho para os vizinhos cujo relacionamento piorou nos últimos meses.

    Na segunda-feira passada, o presidente do Kosovo, Hashim Thaci, e o presidente da Sérvia, Aleksandar Vucic, afirmaram que concordaram em se encontrar novamente em Paris no início de julho.

    Merkel disse mais cedo que o recente avanço em um longo conflito entre a Grécia e a Macedônia sobre o nome do país menor poderia servir como modelo para resolver a disputa espinhosa entre Sérvia e Kosovo.

    "Nós concordamos com essa iniciativa conjunta porque estamos comprometidos com a perspectiva europeia dos países dos Balcãs Ocidentais", declarou Merkel, acompanhada por Macron, referindo-se à perspectiva de estreitar as relações com o bloco da UE. "É do interesse da Europa que haja um desenvolvimento positivo nesta região".

    Também estiveram presentes na cúpula os líderes dos membros da UE, Croácia e Eslovênia, e outros líderes dos Balcãs Ocidentais.

    Macron e Merkel ressaltaram que as perspectivas de adesão à UE não estavam na agenda de Berlim, mas continuaram nas mãos da Comissão Europeia.

    "Em vez disso, trata-se de uma política de estabilidade que queremos para a região", disse o líder francês.

    Velhos rivais

    O encontro entre Macron e Merkel, que também contou com a presença da chefe da diplomacia da União Europeia, Federica Mogherini, vem depois que as conversações entre a Sérvia e Kosovo foram suspensas no ano passado.

    O cerne da disputa é a negação de Belgrado da independência do Kosovo, uma antiga província de profundo significado histórico e cultural para os sérvios que se separou em uma sangrenta guerra de 1998-1999.

    O diálogo liderado por Bruxelas entrou em colapso vários meses depois de se falar de possíveis mudanças nas fronteiras entre os vizinhos, o que provocou uma reação conturbada no verão passado.

    Os críticos alertaram que redesenhar o mapa seria um negócio arriscado nos frágeis Bálcãs, uma região ainda se recuperando de suas brutais guerras dos anos 90.

    Depois vieram uma série de confrontos diplomáticos entre Pristina e Belgrado que aprofundaram a hostilidade, em particular a decisão do Kosovo, em novembro, de impor uma tarifa de 100% sobre os bens sérvios. Um embate seguiu-se.

    O primeiro-ministro do Kosovo, Ramush Haradinaj, disse que manterá o imposto até que Belgrado mostre abertura para reconhecer a independência. Enquanto isso, Vucic sustentava que o levantamento da tarifa era uma condição para qualquer diálogo.

    "A conclusão é continuar a discussão, eu suponho em um formato menor, com a intermediação da UE, Alemanha e França […] para tentar encontrar a solução que nos permita retomar o diálogo", declarou ele à Sérvia e à mídia balcânica. "A Sérvia não tinha outras condições além da revogação de impostos".

    A normalização dos laços com o Kosovo e a harmonização da sua política externa com a da UE estão entre os critérios-chave que a Sérvia deve cumprir para se juntar ao bloco.

    Embora os detalhes exatos de qualquer plano de fronteira nunca tenham sido estabelecidos, a mídia local e os analistas supõem que a troca de terras mostraria o norte dominado pelos sérvios do Kosovo para um vale do sul da Sérvia, principalmente étnico-albanês, assim como o restante do Kosovo.

    Os Estados Unidos e alguns funcionários da UE pareciam abertos a discutir tal acordo. Mas a Alemanha tem sido um dos críticos mais claros de quaisquer mudanças nas fronteiras, que muitos se preocupam em segregar ainda mais a região segundo linhas étnicas.

    O comissário para o alargamento da União Europeia, Johannes Hahn, que supervisiona as candidaturas para se juntar ao bloco, disse que a vinculação dos países dos Balcãs à UE é a chave para manter a paz.

    "Ou exportamos estabilidade ou importamos instabilidade", comentou ao jornal de negócios alemão Handelsblatt.

    Thaci anteriormente insistiu em sua página no Facebook que ele estava empenhado em resolver o conflito de longa data.

    "Para nós, nossos vizinhos e a UE, um acordo entre Kosovo e a Sérvia é vital para avançar", disse ele. "Temos o apoio da UE, dos Estados Unidos e do mundo inteiro para chegar a um acordo pacífico, final e abrangente com a Sérvia. Estamos prontos para retomar o diálogo em Bruxelas".

    Mas enquanto Thaci é a favor da revogação da tarifa, seu primeiro-ministro Haradinaj tem sido intransigente, apesar da forte pressão da UE e dos EUA. "Nenhum imposto será revogado nesta cúpula ou em qualquer outra cúpula", Haradinaj reiterou na semana passada.

    Mais:

    Intervenção humanitária? Eis versão sérvia dos bombardeios da Iugoslávia pela OTAN (VÍDEO)
    Rússia compartilha a preocupação da Sérvia com as ações provocativas do Kosovo, diz Putin
    Putin: Rússia seguirá ajudando Sérvia a fortalecer suas capacidades defensivas
    Tags:
    relações bilaterais, inimigos, guerra, conflito, diplomacia, Comissão Europeia, União Europeia, Johannes Hahn, Ramush Haradinaj, Hashim Thaci, Alexander Vucic, Emmanuel Macron, Angela Merkel, Iugoslávia, Balcãs, Europa, França, Alemanha, Kosovo, Sérvia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar