22:00 24 Maio 2019
Ouvir Rádio
    Laura Sanchez Herrero é ajudada por parentes a exercer seu direito de voto, durante a eleição geral da Espanha, em Pola de Siero, 28 de abril de 2019. Pela primeira vez na Espanha, pessoas com deficiências intelectuais têm o direito de votar.

    O que está em jogo nas eleições espanholas? Com a palavra, os eleitores

    © REUTERS / Eloy Alonso
    Europa
    URL curta
    321

    Mais de 34 milhões de pessoas estavam aptas a votar nas eleições na Espanha, uma ocasião repleta de simbolismo e importância após os recentes episódios de instabilidade e incerteza enfrentados pelo país com a crise territorial na Catalunha e o boom da direita conservadora.

    "Eu acredito que todas as eleições são importantes porque nós jogamos o nosso futuro nelas, mas é verdade que estas eleições são um pouco mais [importantes] que o habitual, pelo menos na minha opinião", apontou à Sputnik Vanessa, 36 anos, que foi votar levando o filho de um ano a um colégio eleitoral localizado no sul de Madri.

    Para a eleitora, estas eleições são "um pouco mais importantes" porque ela se sente "preocupada como mulher" diante da possibilidade de um governo com a presença do partido de direita Vox, que deve entrar para o Congresso dos Deputados pela primeira vez. "O que mais me preocupa são as propostas deles para limitar o aborto ou eliminar a lei da violência de gênero", diz.

    Em uma linha semelhante está Luisa (65 anos), que diz ter votado para o Partido Socialista Operário Espanhol (PSOE), embora seu líder, Pedro Sánchez, não seja "seu favorito", porque acredita que o político seja "a melhor maneira de parar o Vox". Luca (19 anos), conta que vota pela primeira vez e que também vai votar pela esquerda, na coligação do PODEMOS, para "defender os direitos dos jovens e das mulheres" frente a um possível governo de direita.

    José (50 anos), por sua vez, vai ao colégio eleitoral para votar no conservador Partido Popular, voto que considera o antídoto à instabilidade que marcou o desenvolvimento da política espanhola na última legislatura.

    "Eu gostaria que houvesse uma mudança de governo e o retorno do Partido Popular, espero que nestas eleições haja um resultado que pelo menos deixe um governo estável por quatro anos", disse ele.

    Equilíbrio de forças e incerteza sobre o futuro

    Esse sentimento de aborrecimento para com os representantes políticos é partilhado por Javier (29 anos), que acompanhou o parceiro e um grupo de amigos para votar, mas que nesta ocasião não depositou o seu voto nas urnas.

    "Não vou votar porque não estou convencido por nenhum dos cinco grandes partidos", diz ele.

    Ademais, o jovem diz que estar insatisfeito com o sistema político espanhol, onde o presidente do Governo não é eleito e sim aos membros do Congresso dos Deputados. "Eu não gosto do sistema que temos, não gosto que alguém que não tenha sido o mais votado possa governar, porque tudo depende dos pactos que eles querem fazer ou pior", acrescenta.

    Os posicionamentos indicam que cidadãos espanhóis demonstram não simplesmente de votar em um candidato com a esperança de que ele chegue ao governo, mas de tentar influenciar os resultados para um ou outro bloco ideológico.

    A insatisfação de Javier com essa dinâmica não é compartilhada pelo grupo de amigos com quem ele compareceu ao colégio eleitoral. Eduardo (28 anos) diz estar ciente de que "nenhum político" vai "resolver sua vida", mas afirma que vota "com a intenção de mudar as coisas".

    Além dos principais temas de discussão em toda a campanha, como a crise política na Catalunha ou a ascensão da direita conservadora, Eduardo explica que o fator decisivo ao considerar seu candidato foi o emprego (ou a falta dele). Eduardo é uma das 3,3 milhões de pessoas que estão desempregadas na Espanha, um país com uma taxa de desemprego de 14,7% no qual o mercado de trabalho oferece, acima de tudo, empregos precários e temporários.

    "Neste momento estou desempregado, tenho sido um trabalhador temporário e vou completar 30 anos sem poder sair de casa", lamenta antes de sublinhar — sem revelar em quem votaria — que  escolheu o partido que acredita ser capaz de "resolver isso".

    Participação alta

    O cenário — tão dividido e instável — se refletiu nas urnas. Segundo dados do Ministério do Interior divulgados às 18h no horário local (15h no Brasil), 60,74% do eleitores aptos a votar compareceram às urnas, um aumento de 9,54 pontos em relação ao último levantamento em 2016, quando 51,21% dos eleitores decidiram votar.

    Além da importância do momento político, fatores secundários de participação, como o clima, ajudaram as pessoas a sair às ruas para votar em uma Espanha que neste domingo amanheceu ensolarada em quase todo o seu território. O grupo de amigos de Javier e Eduardo, por exemplo, explicou que foram juntos ao colégio eleitoral para "aproveitar e tomar uma cerveja no terraço" depois do dever cívico.

    Pesquisas de boca de urna publicadas nas últimas semanas adiantam que o PSOE, chefiado pelo presidente do Governo, Pedro Sánchez, será a sigla mais votada nestas eleições. Em segundo lugar estarão os conservadores do Partido Popular, em terceiro lugar os Liberais e em quarto, a coalizão esquerdista PODEMOS.

    Por outro lado, estas eleições mostram como principal novidade a entrada nas instituições do Vox, sigla de direita conservadora.

    Segundo as apurações, a possibilidade do PSOE de formar governo ao lado do PODEMOS e dos movimentos nacionalistas basco e catalão podem ser o suficiente para reeditar o bloco que permitiu a Sánchez chegar ao poder em junho, após a bem-sucedida moção de censura contra Mariano Rajoy.

    Por outro lado, as possibilidades de formar um governo alternativo ao de Sánchez ainda existem e o Partido Popular, o Cidadãos e o Vox podem formar um bloco de direita forte o suficiente para permitir a ascensão de um candidato à liderança do país.

    Nas eleições gerais da Espanha, são eleitos 350 parlamentares, que comporão o Congresso dos Deputados (Câmara dos Deputados) e 208 representantes do Senado (Câmara Alta). Depois das eleições, o rei da Espanha, Felipe VI, indicará um candidato à posse como presidente do governo, uma ordem que tradicionalmente recai sobre o líder do partido mais votado, embora nenhuma lei o obrigue a fazê-lo.

    Tags:
    Eleições gerais na Espanha 2019, Vox, Ministério do Interior da Espanha, Podemos, Partido Socialista Operário Espanhol (PSOE), Partido Popular da Espanha, Mariano Rajoy, Felipe VI, Pedro Sánchez, Espanha, Catalunha, Madri
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar