18:21 19 Maio 2019
Ouvir Rádio
    Julien Assange mostra seu gato na Embaixada do Equador em Londres

    Wikileaks publica vídeo de gato de Assange vendo a prisão do dono (VÍDEO)

    © REUTERS / Courtesy of WikiLeaks
    Europa
    URL curta
    7121

    O WikiLeaks confirmou que o gato de seu fundador, Julian Assange, está seguro e livre. O anúncio veio através de um vídeo do animal assistindo seu proprietário ser preso pelo Autoridades do Reino Unido.

    No início da semana, a embaixada do Equador no Reino Unido disse à Sputnik que o gato de Assange não estava na embaixada equatoriana há muito tempo e havia sido levado por associados de Assange.

    "Podemos confirmar que o gato de Assange está seguro. Assange pediu a seus advogados para resgatá-lo das ameaças da embaixada em meados de outubro. Eles se encontrarão em liberdade. #FreeAssange #NoExtradition", escreveu o WikiLeaks através de sua conta oficial no Twitter neste sábado (13).

    Na quinta-feira (11), Assange foi preso na embaixada equatoriana, em Londres, após o governo do Equador retirar o asilo político concedido a ele. O fundador do WikiLeaks, que ficou famoso por vazar dados confidenciais do governo dos EUA, agora enfrenta a ameaça de extradição para os Estados Unidos sob acusação de conspiração para invasão cibernética. Ele pode ser condenado a até cinco anos de prisão.

    A editora-chefe do RT e da Sputnik, Margarita Simonyan, disse, ainda na quinta-feira (11) que a agência de vídeo Ruptly, um projeto da RT, foi o único meio de comunicação que filmou o momento da prisão de Assange, enquanto representantes de outras mídias não estavam presentes.

    Mais:

    Anonymous ameaçam governo britânico com retaliação por ter prendido Assange
    Assange pode revelar papel da Ucrânia no caso sobre conluio russo, diz advogado de Trump
    O que aconteceu com o gato de Assange?
    Equador prende amigo de Assange
    Tags:
    prisão de Julian Assange, WikiLeaks, Julian Assange, Londres, Reino Unido, Equador
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar