05:00 23 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Workers install wires on a 'Golden Bridge of Silk Road' structure on a platform outside the National Convention Center, the venue which will hold the Belt and Road Forum for International Cooperation, in Beijing

    Itália pode usar Rota da Seda chinesa para amenizar sanções à Rússia, diz ex-chanceler

    © AP Photo / Andy Wong
    Europa
    URL curta
    12210
    Nos siga no

    O desejo da Itália de construir laços comerciais com a China não é um movimento contra os EUA, mas um esforço para "maximizar" seus próprios interesses, disse o ex-ministro das Relações Exteriores da Itália, Franco Frattini, antes da visita do presidente chinês Xi Jinping.

    A Itália deve assinar um memorando não vinculativo de apoio à rede de comércio e infraestrutura global da China, apelidada de Nova Rota da Seda, durante a visita de Xi, e sinalizou sua intenção de desempenhar um papel importante no grande plano, apesar das advertências de Washington sobre o projeto.

    A mudança fará da Itália o primeiro país do G7 a apoiar a iniciativa, que visa ligar a China por mar e terra ao Oriente Médio, Europa e África. Roma espera que seu envolvimento possa ajudar a revitalizar a economia italiana, proporcionando maior acesso ao mercado chinês.

    Frattini declarou à RT que o projeto é de "significância muito alta" para a Itália e pode ser "uma ponte real" ligando a Ásia e a Europa. Reconhecendo a advertência dos EUA à Itália para ficar longe do que chamou de "projeto de vaidade" da China, Frattini disse que o envolvimento da Itália "não é uma mensagem contra os Estados Unidos, mas uma mensagem para maximizar os interesses europeus".

    As ameaças dos EUA não foram surpreendentes, disse Frattini, já que "não é um segredo" que o governo Trump considera a China seu maior concorrente. Ele também disse que é provável que outros países da UE desejem se envolver no projeto chinês, porque atualmente as nações européias buscam políticas mais independentes e estão "menos disponíveis para seguir os desejos de seus aliados americanos".

    No entanto, Frattini garantiu a Washington que a Itália permanecerá "aliada fiel" aos EUA e que "nunca" colocará sua infraestrutura crítica "nas mãos de um estado estrangeiro".

    Frattini destacou que espera que a crescente independência de Washington, vista em algumas políticas europeias, possa se estender à questão das sanções à Rússia, dizendo que é do interesse da Europa "elevar progressivamente" as sanções que foram impostas "por causa das demandas e pedidos" da administração Obama.

    Houve, no entanto, uma "discussão pesada" dentro do governo italiano com relação ao projeto da Rota da Seda e o relacionamento da Itália com a China, informou o editor-chefe do site Pandoratv.it, Giulietto Chiesa.

    Há uma "grande divisão dentro da elite italiana", com os políticos e comentaristas mais pró-americanos mais cautelosos com essa cooperação e as possíveis reações dos EUA, disse ele. Chiesa acredita que haverá um "aprofundamento" das diferenças entre a Europa e os EUA, que está "tentando impor suas próprias idéias sobre o comércio internacional" e nem todos na Europa concordam.

    Esse pensamento foi repetido pela jornalista italiana Alessandra Bocchi, que afirmou que a decisão da Itália de ignorar os alertas dos EUA mostrou uma "mudança na política externa da Itália" e demonstrou que Washington "não tem mais o mesmo poder que antes na Europa".

    Bocchi disse que a iniciativa italiana poderia "provocar um efeito dominó" em termos de mais países europeus que querem desenvolver laços com a China, acrescentando que os EUA estão tentando pressionar a Europa a escolher entre eles e a China, rivais no meio de uma guerra comercial, a Europa é parte desse "campo de batalha".

    Mais:

    'Alianças políticas': Rota da Seda chinesa poderá cruzar América Latina
    Mídia: China pode explorar nova 'Rota da Seda' para espionagem de países na Eurásia
    China traça Rota da Seda... no espaço!
    Tags:
    relações bilaterais, diplomacia, nova rota da seda, Giulietto Chiesa, Alessandra Bocchi, Barack Obama, Donald Trump, Franco Frattini, Europa, Rússia, Estados Unidos, China, Itália
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar