00:43 06 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Esquadro e compasso maçônico, foto de arquivo

    É fechada loja maçônica na Itália que teria influenciado decisões políticas

    CC BY 2.0 / Bill Bradford / Gray Lodge #329 Building Square & Compasses
    Europa
    URL curta
    8163
    Nos siga no

    A polícia da Itália pôs fim à atividade de uma loja maçônica, que tinha séria influência sobre os processos políticos na Sicília, segundo a mídia local. Na madrugada desta quinta-feira (21), os carabineiros detiveram 27 integrantes da organização.

    De acordo com o representante do comando policial da província siciliana de Trapani, a operação, codificada de Artemísia, foi efetuada sob a diretiva da procuradoria provincial. Todos os detidos são acusados de crimes contra a administração do Estado, órgãos de justiça, bem como de criação de uma organização criminosa secreta.

    A loja maçônica estava situada em Castelvetrano, comuna natal de um dos chefes da Cosa Nostra, Matteo Messina Denaro, considerado um dos criminosos mais perigosos do mundo, e que há muitos anos está sendo procurado a nível internacional.

    Entre os integrantes da loja, que no momento estão presos ou em prisão domiciliar, há muitos políticos famosos, como o ex-presidente da Assembleia Regional da Sicília, e o ex-deputado do Parlamento italiano Francesco Cascio, o ex-deputado da assembleia Giovanni Lo Sciuto, o ex-prefeito de Castelvetrano, Felice Errante, e outros políticos locais, altos funcionários do Estado, e até representantes da polícia. 

    De acordo com o jornal Giornale di Sicilia, a loja maçônica podia exercer importante influência sobre a distribuição do financiamento regional, bem como receber informações confidenciais sobre a investigação de vários processos importantes.

    Mais:

    Descendo do céu: figura de 'Jesus' aparece sobre Itália (FOTO)
    Itália vai investigar morte de modelo que depôs contra Berlusconi em caso de pedofilia
    Tags:
    maçonaria, influência política, loja, detenção, Sicília, Itália
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar