20:08 16 Junho 2019
Ouvir Rádio
    Mapa da Europa

    Vitória dos 'anti-UE' nas eleições parlamentares pode levar ao colapso europeu, diz estudo

    © flickr.com / gingerbeardman
    Europa
    URL curta
    740

    Os partidos contrários à União Europeia (UE) devem ganhar um terço dos votos parlamentares europeus em maio, segundo um novo estudo. Analistas alertam que isso pode derrubar todo o sistema político na Europa, deixando Bruxelas impotente.

    O relatório do Conselho Europeu de Relações Exteriores (ECFR) descreve a votação como "a votação parlamentar mais consequente na história da UE" e diz que é até possível que os partidos eurocéticos ganhem mais de 30% dos assentos do Parlamento Europeu (PE) "se sua popularidade continuar crescendo ou se alguns dos membros periféricos majoritários se juntarem a eles".

    O relatório argumenta que, se tal situação ocorrer, a UE poderá se encontrar "vivendo temporariamente" e esboça maneiras pelas quais vários partidos anti-UE poderiam se alinhar para obter mais poder em Bruxelas.

    'Muito pouco, tarde demais'

    A frágil situação na Europa é o resultado da UE "tentando se livrar da nacionalidade" e do fato de que as instituições da UE estão "muito distantes dos cidadãos", disse Jon Gaunt, apresentador de rádio, jornalista e comentarista político do Reino Unido. 

    Esse ponto também se refletiu no relatório, que reconheceu que os partidos anti-UE estão defendendo um retorno a uma "Europa das nações" em vez do que Gaunt descreveu como "um superestado não-democrático".

    Se os partidos anti-establishment ganharem mais influência na política da UE, eles poderiam desarmar argumentos feitos por partidos pró-UE de que o projeto é "imperfeito, mas capaz de reforma", avaliou o relatório.

    Apesar da rápida ascensão dos partidos anti-establishment, o relatório afirma que a "maioria silenciosa" em toda a Europa ainda é pró-UE. Gaunt acredita, no entanto, dizer que o projeto da UE está "no começo do fim" e que os esforços dos partidos pró-UE para reformar o bloco são "muito pouco, tarde demais".

    'Crise de confiança'

    Embora o relatório geralmente considere que os europeus ainda "acreditam e se associam" ao projeto da UE, ele aceita que o status quo não pode ser simplesmente defendido e que movimentos como os Coletes Amarelos na França demonstraram que as pessoas comuns "não veem ligação" entre o que acontece nos corredores do poder e os problemas que eles pessoalmente se preocupam.

    Um dos que ecoa essa visão é Laszlo Maracz, professor de Estudos Europeus e pesquisador de humanidades da Universidade de Amsterdã, que disse à RT que o movimento de protesto em massa na França reflete que o projeto da UE está experimentando uma "profunda crise de confiança" que poderia levar alguns países à "beira do colapso político" e a França, em particular, poderia entrar em algum "Estado revolucionário".

    Quanto a como resolver as múltiplas crises que a Europa enfrenta, não é um tamanho único, disse Maracz, observando que existem diferenças regionais, nacionais e individuais em toda a Europa e que não há "uma receita" para consertar "extremamente complexa".

    O relatório, no entanto, tem um tom desdenhoso contra esses partidos cada vez mais populares e anti-UE, enquadrando-os como grupos que querem "destruir a Europa" e dando a impressão de que os status quo têm mais direito de exercer influência na Europa com uma atitude que levou a UE à sua atual crise em primeiro lugar.

    'Contra-atacar'

    Os autores do relatório da UE oferecem várias estratégias para as forças pró-europeias "contra-atacar" contra o euroceticismo. Uma dessas estratégias é "criar uma cisão" entre as partes anti-UE, num esforço para impedir que trabalhem em conjunto. Outra estratégia é argumentar que os "antieuropeus" estão "fazendo o trabalho do Kremlin" - uma tática que é uma ferramenta cada vez mais popular dos partidos do establishment em todo o mundo ocidental.

    A interferência russa nas eleições de maio é "altamente provável" e "o amor à Rússia" e "o ódio às sanções" é algo que pode unir a extrema-esquerda e a extrema-direita, argumenta o relatório. Com poder suficiente, um dos maiores temores é que esses partidos possam "comprometer a política externa comum da UE sobre a Rússia".

    Em termos de como as partes anti-UE poderiam cooperar, várias opções são delineadas, incluindo um potencial "coalizões anti-UE inflexíveis apenas de extrema-direita". Existe também a possibilidade de uma aliança "todos contra o establishment" à direita, os eurocéticos e a extrema-esquerda, o que poderia tornar a vida "muito difícil" para as forças pró-UE - embora os autores vejam este cenário como menos provável.

    "A Europa está em crise e a crise não foi causada por partidos eurocéticos", revelou Maracz. "É causado por pessoas que são responsáveis pela tomada de decisões políticas agora".

    Mais:

    Orban elogia Bolsonaro: 'Brasil é a definição mais adequada da democracia cristã moderna'
    'Soros quer assumir as instituições europeias', critica o primeiro-ministro da Hungria
    Brexit deve dar exemplo da vitória das pessoas sobre a União Europeia, diz Salvini
    Tags:
    anti-UE, extrema-esquerda, coletes amarelos, extrema-direita, eurocéticos, europeus, democracia, nacionalismo, política, Eleições 2019, Conselho Europeu de Relações Exteriores (ECFR), Parlamento Europeu, União Europeia, Laszlo Maracz, Jon Gaunt, Bruxelas, Europa, França, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar