13:23 22 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    Soldados norte-americanos perto de sistema de defesa antiaérea Patriot durante manobras na Lituânia

    Europa assinará 'pacto suicida' se receber novos mísseis dos EUA, diz política alemã

    © REUTERS / Ints Kalnins
    Europa
    URL curta
    10141
    Nos siga no

    O possível acordo da Europa para acolher mísseis balísticos de médio e curto alcance dos EUA equivaleria a assinar um "pacto suicida" face à anunciada determinação da Rússia em ter como alvo essas potenciais ameaças à sua segurança, disse à Sputnik a política alemã Helga Zepp-LaRouche.

    "Se a Europa aceitar a instalação de novos mísseis americanos em seu território neste ambiente estratégico, ela assinaria um pacto suicida", declarou a líder do partido alemão Movimento dos Direitos Civis Solidariedade.

    Em meio à retórica de guerra no Ocidente, o presidente russo Vladmir Putin "apenas reintroduziu um princípio de realidade e clareza" com suas advertências, considera Zepp-LaRouche.

    "Apesar da intenção declarada do presidente [americano, Donald] Trump de melhorar as relações entre os EUA e a Rússia, incluindo que ele pode ter uma ideia para substituir o Tratado INF por um novo acordo, Putin tem de considerar a intenção contrária dos neoconservadores da administração Trump e do 'ministro da guerra' britânico, Gavin Williamson, que ameaça usar 'poder duro' e também alega que as 'fronteiras entre a paz e a guerra estão ficando desfocadas'", ressaltou, fazendo referência ao discurso de Williamson na Conferência de Segurança de Munique de 2019.

    Para Zepp-LaRouche, a cooperação com a Rússia criaria "uma nova arquitetura de segurança", que deveria constituir a base sobre a qual a Europa desenvolve a sua cooperação com os EUA.

    Durante seu discurso anual ao parlamento, realizado na quarta-feira (20), o líder russo alertou que Moscou seria forçada a dar uma resposta à altura se Washington, após a sua planejada retirada do Tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermediário (INF), implantar mísseis na Europa. Putin também destacou que a Rússia protegeria seu território de ameaças externas, tendo também como alvo os centros de tomada de decisão sobre o uso desses mísseis.

    Em 2 de fevereiro, os EUA suspenderam suas obrigações quanto ao INF, assinado em 1987 com a então União Soviética, que proíbe os envolvidos de terem mísseis balísticos terrestres, convencionais ou nucleares, com alcance entre 500 e 5.500 quilômetros.

    Washington tem alegado que o alcance do míssil 9M729 russo viola os limites do tratado, mas Moscou negou as alegações, enfatizando que elas são infundadas. Por seu turno, a Rússia apontou que os sistemas de defesa dos EUA na Europa estavam equipados com lançadores capazes de disparar mísseis de cruzeiro a distâncias proibidas pelo Tratado INF.

    Mais:

    Saída americana do Tratado INF ameaça estabilidade global, avisa chancelaria russa
    EUA violaram Tratado INF por anos, mas Rússia propõe manutenção do acordo, diz ministério
    Maioria na Rússia não crê em acusações dos EUA sobre violações do INF
    'Golpe sobre sistema de controle de armas': EUA notificam Rússia sobre saída do INF
    Tags:
    mísseis balísticos, Tratado INF, Gavin Williamson, Vladimir Putin, Donald Trump, Europa, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar