12:27 22 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    O presidente Donald Trump e o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, chegam para discurso conjunto no Jardim das Rosas da Casa Branca.

    Polônia quer reaproximar União Europeia e EUA na questão do Irã

    © AP Photo / Alex Brandon
    Europa
    URL curta
    612

    A Polônia quer contribuir para a reaproximação entre Washington e a Europa, incluindo o acordo nuclear com o Irã, segundo afirmou nesta quarta-feira (13) o ministro das Relações Exteriores da Polônia, Jacek Czaputowicz.

    Varsóvia realiza entre os dias 13 e 14 de fevereiro uma reunião ministerial no Oriente Médio, organizada em conjunto com os Estados Unidos.

    "Gostaríamos de contribuir para que a Europa e os Estados Unidos se encontrem no meio do caminho e comecem a resolver os problemas lado a lado […]. Agora, a Polônia gostaria de garantir que os dois lados, os EUA e a UE, se aproximassem nessa questão [do acordo nuclear iraniano]", disse Czaputowicz em entrevista ao jornal Die Welt.

    O chanceler também observou que o Irã não foi o centro das discussões da conferência.

    "A conferência está voltada para questões como a proliferação de armas, o terrorismo e as ameaças híbridas […]. Geralmente estamos falando em estabilizar a região, incluindo a questão dos refugiados", disse Czaputowicz.

    Em 11 de janeiro, o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, afirmou que a reunião também abordaria o Irã no contexto de garantir que ele não constituísse uma "influência desestabilizadora" na região. O país convidado para a reunião.

    Em 22 de janeiro, o Ministério das Relações Exteriores da Rússia anunciou sua abstenção da conferência de Varsóvia, chamando a reunião de "projeto político" dos EUA com o objetivo de promover interesses geopolíticos de Washington em meio à comunidade internacional.

    Os Estados Unidos restabeleceram sanções contra o Irã após a retirada do país do Plano Conjunto de Ação Integral (JCPOA) — o acordo nuclear do Irã — em maio. A primeira rodada de sanções entrou em vigor em agosto, seguida de uma 2ª rodada em 5 de novembro. As sanções visam não apenas a economia do Irã, mas também os indivíduos e entidades que continuam a fazer negócios com o Irã.

    Após uma reunião ministerial de setembro, às margens da Assembleia Geral da ONU, Reino Unido, Alemanha, França, China, Rússia e Irã anunciaram que a União Europeia estabelecerá um mecanismo financeiro de comércio com o Irã. A medida tenta contornar a decisão dos Estados Unidos de reimpor sanções sobre Teerã.

    Tags:
    Plano Conjunto de Ação Integral (JCPOA), Assembleia Geral da ONU, Jacek Czaputowicz, Rússia, China, França, Reino Unido, Alemanha, EUA, Estados Unidos, União Europeia, Irã, Polônia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar